Plástico deve ser usado na fabricação de carrocerias

Nos próximos 5 anos, a fábrica de carrocerias Paraná, instalada no novo Distrito Industrial, às margens da BR-364, deve usar plástico como base de produção ao invés da madeira. A unidade já tem estoque de madeira suficiente para produzir as cerca de 35 carrocerias por mês pelos próximos 5 anos. Mas, a direção está otimista com a possibilidade de agregar valor ao produto. A direção da fábrica já conhece a cadeia produtiva da Plasacre, indústria que trabalha com produção de telhas e mourões de plástico reciclado. “O material é de boa qualidade”, constatou o gerente-administrativo da fábrica de carrocerias Paraná, Jonhy Wendland. “Vamos usar nosso estoque e depois podemos partir para as mudanças”.
Angelim2607
O plástico deve ser um dos componentes das carrocerias. O piso continuará a ser de madeira. A gerência-administrativa da fábrica de carrocerias Paraná ainda não fez um estudo de viabilidade econômica para saber quais mudanças no custo de produção podem ser efetivadas com a entrada do plástico como insumo. A fábrica de carrocerias Paraná emprega diretamente 25 funcionários e atua no mercado local há 25 anos.

“No Acre, estamos transformando lixo em negócio”, afirma o secretário de Estado de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia, Indústria e Comércio, Edvaldo Magalhães. A afirmação foi feita na visita às instalações da Plasacre na Expoacre. Magalhães estava acompanhado do prefeito Raimundo Angelim, que estuda a possibilidade de fazer uma espécie de projeto-piloto construindo uma praça com bancos e ‘paradas’ de ônibus de plástico. “Vou ver quanto isso custa”, ponderou.

A construção da Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos (Utre) feita pela Prefeitura de Rio Branco há 2 anos permitiu a existência de empresas como a Plasacre. Dos 120 funcionários da indústria que trabalha com reciclagem de plástico, cerca de 90 trabalham diretamente na seleção e triagem de material na Utre. “Com isso, os aspectos ambientais presentes na cadeia produtiva das telhas e mourões de plástico são fatores que agregam valor à empresa”, ressalta o prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim.

A Plasacre é nova no mercado regional. Está há 2 anos. Conseguiu financiamento de R$ 7,5 milhões junto ao Basa e já trabalha para atender pedido do Exército Brasileiro que encomendou 250 mil mourões para cercamento das margens das rodovias pavimentadas pelos batalhões de engenharia. “Daqui a dois anos devemos concluir processo de patenteamento dos nossos produtos junto ao IPT”, informa um dos sócios da Plasacre, Éder Paulo dos Santos.

Sebrae apóia empreendedores que crêem no futuro do Acre
Mais que um parceiro dos negócios brasileiros e, particularmente, os do Acre, o Sebrae, junto com o governo, cria um cenário de negócios que se concretizam durante a feira e ao longo de todo ano. Exemplo disto é o Salão de Oportunidades, organizado pelo Sebrae e compartilhado com a Secretaria Estadual de Micro e Pequenos Negócios. Lá, 20 empresas oferecem produtos e serviços em busca de mais parceiros e investidores.

Dez empresas são representantes de indústrias locais e nacionais fornecedoras de máquinas, equipamentos e serviços aos investidores que acreditam na sua capacidade de fazer negócio e usam seu dinheiro para impulsionar o desenvolvimento do Acre. Outras 10 estão na busca de parceiros que irão oferecer no porta-a-porta seus cosméticos, perfumes, roupas íntimas e enxovais.

Túnel do Empreendedor – Ao entrar nele, os interessados em montar seu negócio conhecerão novas oportunidades, orientações e tecnologias disponíveis para estimular sua capacidade empreendedora. Ao atravessá-lo, entram num ambiente onde os atendentes estão preparados para oferecer-lhe orientações específicas. Apoiar e orientar a micro e pequena empresa para que alcance sucesso e assim contribua decisivamente para o desenvolvimento do Acre e do Brasil, é a missão do Sebrae.

Artesanato – A economia solidária está presente no setor de Artesanato. O Sebrae, em parceria com a Setul, apresenta os trabalhos de 120 artesãos, vindos de todo Estado para fazer negócios. Eles têm encontro marcado nos dias 26 e 27 de julho com os lojistas de empresas especializadas de todo Brasil, que estarão fazendo compras no Encontro de Negócio organizado pelo Sebrae.

Agronegócios – O Sebrae organiza os criadores de gado de leite, que vão apresentar a boa qualidade de seus animais participando do torneio leiteiro pra conhecer a vaca mais produtiva do Estado. Prepara também as apresentações das raças de ovelhas da região, as novas perspectivas deste setor e apoia a realização do 2º Encontro de Ovinocultores. Na fazendinha, também estarão os plantadores de amendoim do Quinari e de pescados.

Moda Acreana – O Sebrae também orienta e apoia as 22 malharias e confecções que estão presentes na feira expondo sua produção local que gera cada vez mais emprego e renda, com o diferencial de fazer roupas mais adequadas ao clima e ao gosto local, em coleção especial para 2011/2012 que será apresentado em desfile durante a Expoacre, resultado do projeto Fortalecimento Indústria da Confecção de Rio Branco. (Sebrae/AC)

Sistema Fieac comanda Espaço Indústria na Expoacre
Realizando palestras, divulgando produtos e serviços às empresas no Espaço Indústria da Expoacre 2011, o Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac) marca presença mais uma vez na Feira Agropecuária. Confira os destaques da indústria:

Palestras, degustação e “Sesinhos” atraem público – No 2º  dia de Expoacre, o stand do Sistema Fieac realizou atividades do Sesi, com palestras, degustação de receitas saudáveis do Cozinha Brasil e ainda promoveu o lúdico com os bonecos Sesinhos, que distri-buíam revistas em quadrinhos e tiravam fotos com as crianças. Todas as atividades tiveram boa aceitação do público e as receitas da Cozinha Brasil .
É reciclando que se recebe – “Um presente para o nosso meio-ambiente”. Foi assim que o empresário Luiz Almíneo Luniere, da Gráfica Talento, definiu o trabalho de reciclagem realizado por sua empresa. Pela primeira vez no Espaço Indústria, o empresário fez demonstrações e falou da importância de reciclar sobras de papéis.

A aceitação do papel reciclado é crescente, especialmente no mercado corporativo. O papel reciclado tem um apelo ecológico, o que faz com que alcance um preço até maior que o material virgem. No Brasil, os papéis reciclados chegavam a custar 40% a mais que o papel virgem em 2001. Em 2004, os preços estavam quase equivalentes, e o material reciclado custava de 3% a 5% a mais. A redução dos preços foi possibilitada por ganhos de escala, e pela diminuição da margem média de lucro.

Setor moveleiro ganha espaço exclusivo – Conglomerando 12 empresas filiadas ao Sindicato da Indústria Moveleira do Acre (Sindmóveis), 4 cooperativas e 4 instituições de suporte tecnológico, o setor de mobi-liário ganhou um stand exclusivo na Expoacre, localizado ao lado do Espaço Indústria. “Aqui, o público tem uma noção clara da atividade”, observa o presidente George Dobré.

Entre as instituições de apoio tecnológico, o Senai/AC marca presença com o Cetemm e sua Unidade Móvel, a ‘Jotinha’.  Dobré explica que a iniciativa partiu do governo, que reconheceu a importância estratégica do setor. Tanto, que nesta quarta será assinado convênio entre o Estado e a indústria moveleira, chamado ‘Programa de Mobiliário para o Poder Executivo’. Ficará estabelecido que as secretarias irão mobiliar seus escritórios só com peças compradas de empresas locais, fabricadas em madeira e mdf. (Ascom Fieac)

Revista Amazônia S.A
A Amazônia e as insondáveis maravilhas que este lugar reserva agora virou revista. A revista Amazônia S.A. será lançada às 20h de quarta, no Lounge Eco-Park (na Expo-acre). Os colaboradores da 1ª edição registram em imagens e palavras, as diversas manifestações de negócios e empreendedores, cultura, lazer, moda e beleza, política, gastronomia, personalidades, panorama e o cotidiano amazônico – em suas grandes ou pequenas cidades – em reportagens, artigos, colunas dentre as mais diversas informações impressas em papel, mas com a intenção de deixar em cada nova publicação marcas profundas no leitor que vive a Amazônia ou na Amazônia.

A revista visa informar, com qualidade e responsabilidade,o que o Acre e a Amazônia merecem: melhor e mais completo intercâmbio de boas notícias.

É exatamente por isso que a Revista Amazônia S.A. levará pra todo Brasil inspiração, informação, cultura e vida na Amazônia. A sigla S.A vem revelar a sociedade anônima mais pulsante do coração do planeta, além de ser um portal de interação completa entre a região mais natural da Terra, baseado nos princípios de negócios onde o futuro importa mais que o presente. (Assessoria)

 

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation