Rio Acre baixa cerca de 4 cm por dia e registra nível de1,97 metros

Em menos de 3 meses, o Rio Acre passa de um extremo a outro. Em abril, ultrapassou a cota de transbordamento, deixando milhares de pessoas desabrigadas. Agora, apresenta um dos mais baixos níveis dos últimos anos para o período. Baixando em média 4 cm por dia desde a primeira semana de julho, o rio chegou ontem a 1,97m  em Rio Branco. A média para a data, segundo o relatório diário da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), é de 3,47m.
Rio-Seco26
Na mesma semana no ano passado, o rio ultrapassava a marca de 2,40m. Na cabeceira do Rio Acre, em Assis Brasil, o nível se mantém estável em 2,30m há 6 dias. Apesar da visível seca do rio, não há previsão de suspensão no abastecimento de água na Capital.

Segundo o diretor do Saerb, Eduardo Vieira, os procedimentos – para evitar racionamento ou corte na distribuição – já foram tomados com a instalação de 2 bombas flutuantes na Estação de Captação ao lado da Terceira Ponte. Vieira ressalta que, neste período, aumenta o consumo devido à seca de poços e cacimbas. O Saerb está mantendo equipes de combate a vazamento de forma permanente nos bairros da Capital, a fim de conter o desperdício. A orientação para  é de que a população contribua com o trabalho, notificando a empresa sobre rompimentos de canos da rede de distribuição.

Para não comprometer o abastecimento, o presidente do Saerb pede para que os consumidores não gastem água excessivamente neste período com atividades que podem ser evitadas como lavar calçadas, carros e molhar jardim com mangueira. Além disso, verificar a instalação da rede de água das casas e instalar bóias também ajudam. Caso o Rio Acre continue a baixar nesta proporção e atingir 1,55m, o Saerb poderá construir uma barragem com sacos de areia para represar um de seus trechos e facilitar a captação de água. “Ainda não é preciso. Estamos fazendo a nossa parte para que a distribuição de água não seja prejudicada, mas a população precisa fazer a parte dela”, alerta Vieira.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation