Irritado, policial armado invade ônibus e causa pânico em passageiros

Os passageiros do ônibus que faz a linha para a Vila Dom Moacyr viveram momentos de pânico na noite de sexta, 9. Na ocasião, um policial militar invadiu o ônibus, armado, e apontou uma pistola na direção do motorista. Aos gritos, ele o mandou descer do veículo.
Policial1109
De acordo com o motorista Máximo Lira da Silva, ele trafegava na Via Chico Mendes. Na estrada, se deparou com um Ford K, placas MZS 7341, conduzido pelo sargento S. Coelho, à sua frente. O condutor do coletivo disse ter dado sinal de luz pedindo passagem. Ao ultrapassar o carro do militar, ocorreu uma leve batida. Segundo o motorista, ele não percebeu que havia encostado no carro do policial e, por isso, seguiu viagem. Mas o guarda não fez o mesmo.

Segundo informações, o sargento S.Coelho (que estava à paisana) teria ficado furioso e avançado com o seu carro, posicionando-o à frente do ônibus. Ele teria saído do carro com uma pistola na mão e invadido o coletivo, apontando a arma em direção ao motorista. Os passageiros, sem saber o que estaria acontecendo, entraram em pânico, acreditando ser um assalto ou alguém que pretendia assassinar o motorista. Uma passageira, grávida de 6 meses, chegou até a passar mal e foi conduzida à UPA do 2º Distrito.

Segundo testemunhas, a Polícia Militar foi acionada e, quando a guarnição chegou ao local, o sargento S.Coelho estava muito alterado. Ele teria se negado até a fazer o teste do bafômetro. Um oficial da PM conseguiu tomar a arma do sargento: uma pistola 380 de uso pessoal e o conduziu à Defla. O sargento S. Coelho alegou que só tentou parar o ônibus para chamar a Companhia de Trânsito, a fim de ser feito uma perícia no carro batido.

Os passageiros afirmaram que o militar ‘cruzou’ a via com o veículo, impedindo a passagem do ônibus e já saiu do carro apontando a arma em direção ao motorista. “Ele já desceu do carro apontando a arma e mandando o motorista descer, senão ia atirar” afirmou a passageira Maria José dos Santos, 18 anos. Versão essa que também foi confirmada pelo passageiro Renan Lima da Costa, 21 anos, que estava na parte da frente do ônibus. Ele não viu o ônibus bater no carro. “A polícia é pra proteger e não pra apontar arma contra a cabeça de um trabalhador” disse ele, revoltado.

Segundo informações, o sargento S. Coelho é lotado no Quartel de Vila Campinas e estaria de férias em Rio Branco.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation