Em audiência de instrução, mãe cobra o motivo para o assassinato da vítima

A 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco realizou hoje, 15, a audiência de instrução criminal do ‘Caso Olizângela’. Foram ouvidas as testemunhas do crime e Iranilson Nascimento dos Santos, 32 anos, acusado de ter assassinado Olizângela.
Caso Olizangela 22
Francisca de Assis Rodrigues, mãe da vítima, quer saber qual foi o motivo do assassinato da filha. “Eu quero saber por que esse rapaz matou a minha filha. Quero respostas. Eu não o conhecia. Fui saber da existência dele pela televisão. Ele nunca foi à minha casa. Se ele for o culpado. Quero que ele pague pelo que fez. Também quero que o Jaisson, que levou a minha filha naquele dia, pague também. Ele me enganou, enganou a minha filha, deu um nome errado. Se ela soubesse que ele era casado, ela não teria o namorado”.

Emocionada, Francisca disse que sente muita falta de Olizângela. “Minha filha era estudiosa, trabalhava e nunca fez mal a ninguém. Sinto muitas saudades, ela faz muita falta pra mim e para os meus outros filhos. Não consigo nem abrir o quarto dela. Eu sofro tanto com isso”.

Iralsino Bispo dos Santos, pai do acusado, garantiu ter certeza de que o filho não cometeu o assassinato. “No dia em que a Olizângela desapareceu, meu filho estava em casa. Eu acredito que ele não esteja envolvido nesse caso. Conheço o Iranilson”, afirmou.

O Defensor Público Martiniano Siqueira adiantou que até o momento não há provas contra Iranilson. “A Defensoria Pública espera que seja encontrada a verdade dos fatos. Até hoje só existe um inquérito e nenhum réu pode ser condenado apenas pelos indícios da delegacia. A juíza Zenair Bueno irá ouvir as testemunhas e vai avaliar se realmente ele teria praticado o crime. A partir da decisão da juíza é que iremos saber se ele vai à júri popular ou não”, disse Martiniano.

Entenda o caso
Olizângela da Silva Lopes, de 17 anos, desapareceu no dia 23 de julho de 2010, quando estaria na companhia do namorado Jaisson Bezerra. Ela foi encontrada morta em uma chácara localizada no Ramal Ribeirágua, na Estrada do Amapá, no dia 10 de agosto do ano retrasado.

Seu corpo, que estava carbonizado, apresentava sinais de violência. Durante as investigações, foram presos Jaisson Bezerra, namorado da vítima, e Iranilson Nascimento, filho do dono da chácara onde o corpo foi encontrado.  Jaisson foi liberado após um habeas corpus. Já Iranilson foi denunciado pelo Ministério Público. A acusação é que ele teria estuprado, depois assassinado e ocultado o cadáver da estudante.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation