Acre poderá ser beneficiado com a renegociação da dívida com a União

Tche-com-deputado-Cândido-VO Acre pode ser um dos grandes beneficiados com a renegociação das dívidas dos estados com a União. A preservação das florestas e o trabalho para garantir o desenvolvimento sustentável são fatores que podem contribuir para que a dívida do Estado, que chega a R$ 1,4 bilhão, seja revisada.

Na última quinta-feira, 19, governadores e secretários de fazenda de vários estados participaram de uma audiência pública na Câmara Federal para discutir as propostas de revisão das dívidas.

Na ocasião, o presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos (Unale), deputado Luiz Tchê (PDT) voltou a defender a proposta de compensação aos estados que preservam suas florestas.

Para Luiz Tchê, a preservação das florestas exige investimentos altos por parte do Governo do Estado, mas os benefícios são para todos. Ele lembrou que a Unale defende a redução dos juros ou a criação de um pacote de investimentos, que seriam feitos nos estados com o dinheiro das dívidas.

“Para ter a sua floresta preservada, o Acre gasta muito. Acontece que não somos os únicos beneficiados. Todo mundo se beneficia. Por isso, nada mais justo que recebermos um tratamento diferenciado. Se o Acre não se desenvolveu mais é porque estávamos preocupados em preservar a floresta. Para se ter ideia, o nosso Estado paga R$ 1 milhão a cada dia útil do mês para a União”, afirmou.

Ainda na audiência, o coor-denador do grupo de trabalho da Câmara Federal que discute a renegociação da dívida dos estados, deputado federal Cândido Vaccarezza (PT/SP), se comprometeu em conversar com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele quer agendar um encontro no qual será apresentada a proposta preliminar para renegociar a dívida dos estados e municípios.

“Esta audiência foi importante para que os governadores e secretários pudessem apresentar suas preocupações e a realidade de seus estados. Agora vamos aguardar essa reunião do grupo de trabalho da Câmara Federal com o ministro Mantega, para que possamos apresentar uma proposta ao Governo Federal. Estamos otimistas”, disse Tchê.

Só depois de ouvir o ministro é que os deputados fecharão sua proposta final. Para parlamentares e governadores, a proposta de reverter os juros das dívidas é fundamental, pois muitas delas foram adquiridas há alguns anos, quando a rea-lidade do Brasil era outra.

Luiz Tchê lembrou, ainda, que a discussão continuará com a realização de encontros em outros estados. Outros encontros serão realizados ainda nas regiões Centro-Oeste, Sul e no Nordeste. Além disso, Tchê tem visitado as Assembleias de todos os estados para discutir as propostas de renegociação das dívidas e pedindo apoio de todos os parlamentares para a campanha.

“Nossa intenção é mobilizar todos os estados para que possamos recorrer à presidente Dilma para que essas dívidas sejam revisadas. Muitos estados enfrentam dificuldades e não têm como fazer novos investimentos. Se perdoamos a dívida de outros países, podemos perdoar a dívida dos estados onde moram os brasileiros”, destacou ele.

Triste realidade
A dívida do Acre com o Governo Federal em 2011 era de R$ 1,1 bilhão. Para se ter ideia dos problemas com os juros, em 2000, a dívida era de R$ 706 milhões. Essa inflação exorbitante é que motiva a luta da Unale para a redução dos juros.

Tchê ressaltou que a intenção dos estados não é dar um ‘calote’ na União. Ele observa que com os juros que são praticados atualmente, a dívida se torna impagável. De acordo com dados divulgados pela Câmara dos Deputados, a dívida total dos Estados com a União encerrou 2011 com R$ 388,4 bilhões. Só 12 estados conseguiram reduzir a dívida desde 2000. Nos outros 15, os débitos aumentaram.  

Romário e Ideli Salvatti participam de encontro em Natal
A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti e o deputado federal Romário Faria (PSB/RJ) confirmaram presença na XVI Conferência Nacional da Unale (CNLE), que acontece de 29 de maio a 1º de junho, em Natal/RN.

Romário participará de uma Mesa Redonda da Copa do Mundo 2014, que terá ainda a participação dos ex-jogadores Danrlei e Roberto Dinamite. Ideli Salvatti deve participar da abertura do encontro, representando a presidente Dilma Rousseff.

Durante a conferência, será eleita a nova diretoria da Unale. O atual presidente Luiz Tchê deixará o cargo, depois de um mandato marcado por grandes conquistas para a entidade e o fortalecimento dos Legislativos estaduais.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation