Pular para o conteúdo

Incêndio na maternidade obriga Estado a transferir 25 recém-nascidos da unidade

 O princípio de incêndio na Maternidade Bárbara Heliodora, na noite de ontem, 7, segundo informações teve início no compressor de oxigênio localizado na parte de fora do prédio, usina de oxigênio. Apesar de causar pânico e ter mobilizado todas as viaturas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ninguém ficou ferido e 25 crianças foram transferidas para unidades como Upa, Pronto Socorro e Hospital Santa Juliana.

 Homens do Corpo de Bombeiros conseguiram conter o incêndio antes que ele causasse danos mais graves. Por causa da fumaça, três setores da maternidade precisaram ser interditados: a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Unidade de Cuidados Intensivos e a UTI Pediátrica.

 A direção da Maternidade esclarece que a situação de saúde das crianças não foi prejudicada pelo incidente. Todas estão com o quadro de saúde estável. De acordo com nota divulgada pelo governo, 18 crianças, que estavam internadas nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) e de Tratamento Intensivo (UTI), foram levadas para a UTI do Hospital Santa Juliana; outras cinco crianças foram encaminhadas para a UTI do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB); e duas crianças para uma das Unidades de Pronto Atendimento (UPA).

Gestores aguardam laudo
 Na manhã desta quinta-feira, 8, em entrevista coletiva, gestores da saúde estadual confirmaram que vão aguardam o laudo da perícia sobre o incêndio, realizado pelo Corpo de Bombeiro e deve ficar pronto em 30 dias. A direção da Maternidade destacou que a empresa de manutenção da usina de oxigênio também foi acionada para resolver o problema, garantindo que o local volte ao seu total funcionamento o mais breve possível.

Transferência dos pacientes
 O secretário adjunto de Saúde, José Amsterdam Sandres, reafirmou que nenhum paciente apresentou piora no quadro clínico por causa do incidente. Ele disse ainda, que a empresa responsável pela manutenção da usina já foi informada para corrigir o problema.

 A gerente geral do Sistema Assistencial à Saúde da Mulher e à Criança (SASMC), Lorena Rojas, ressaltou que os problemas na usina não afetaram gravemente o interior do prédio. “As crianças foram transferidas por precaução, porém, apesar de a parte interna não ter enfrentado problema algum, será realizada uma limpeza do setor onde cada uma ficava, não existe nada queimado, mas precisamos fazer esse preparo para as crianças estarem em um ambiente limpo quando retornarem”, explica.

 Além disso, a administração do Hospital trabalha com a possibilidade de liberar as salas interditadas já até hoje, 9. “Estamos fazendo a limpeza terminal, não existe nada queimado, mas precisamos fazer esse preparo para as crianças estarem em um ambiente limpo quando retornarem”, explica a gerente.

fotoincendioFoto incendio2Foto incendio4


NOTA SESACRE


 
O Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Saúde do Estado do Acre, esclarece sobre o fato ocorrido na Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco, na noite desta quarta-feira, 7.

 Houve um princípio de incêndio na usina de oxigênio da Maternidade, que imediatamente foi controlado pela equipe de manutenção e Corpo de Bombeiros. Ao mesmo tempo, como medida de prevenção, as crianças internadas foram transferidas de forma segura e com os devidos equipamentos e acompanhamento médico.

 Vinte e cinco crianças foram levadas para outras unidades hospitalares por ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel (Samu): 18 crianças, que estavam internadas nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) e de Tratamento Intensivo (UTI), foram levadas para a UTI do Hospital Santa Juliana; outras cinco crianças foram encaminhadas para a UTI do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB); e duas crianças para uma das Unidades de Pronto Atendimento (UPA).

 A direção da Maternidade esclarece que a situação de saúde das crianças não foi prejudicada pelo incidente. Todas estão com o quadro de saúde estável.

 O governador do Estado, Tião Viana, esteve na Maternidade, onde visitou a área interditada, e também no Hospital Santa Juliana. Ele se solidarizou com as famílias das crianças, agradecendo também aos voluntários que ajudaram no episódio.

 A direção da Maternidade acionou a área competente para que uma perícia seja feita no local e as devidas providências sejam tomadas. A empresa de manutenção da usina de oxigênio também foi acionada para resolver o problema, garantindo que o local volte ao seu total funcionamento o mais breve possível.

 O Governo do Estado lamenta o incidente e reitera o compromisso de continuar trabalhando pelo melhoramento permanente na qualidade dos serviços de saúde oferecidos à população do Acre.

Suely Melo
Secretária de Estado de Saúde