Pular para o conteúdo

Telexfree considera material exibido no ‘Mais Você’, da Globo, calunioso e pede direito de resposta

Logo após o programa de Ana Maria Braga, o‘Mais Você’, da Rede Globo, exibir uma reportagem na qual entrevista 2 empresários (não identificados) que alegam ter investido R$ 70 mil e R$ 40 mil na Telexfree e não terem obtido retorno, na manhã de ontem (17), a empresa Ympactus Comercial S/A anunciou, na sua página oficial no Facebook, que vai pedir direito de resposta sobre o conteúdo transmitido a nível nacional.

A empresa considerou a matéria exibida pelo programa com ‘diversos trechos denegrindo a imagem da empresa… sem que lhe fosse dada a possibilidade de apresentar ao vivo sua versão dos fatos, tendo sido a matéria injuriosa, caluniosa e difamatória’.

O pedido de direito de resposta da empresa veio cumulado com o pedido de danos morais, ainda na data de hoje. A Telexfree publicou a minuta de notificação judicial, esmiuçando todo o seu pedido de resposta feito à Justiça.

Promotora diz que ‘não aguenta mais este assunto’ – Após a exibição da matéria na Globo, a promotora de defesa do consumidor do Ministério Público do Acre (MP/AC), Alessandra Garcia Marques, usou de redes sociais para opinar sobre esta questão do marketing multinível. A promotora questionou a insistência do dilema da mídia se a Telexfree seria ou não uma pirâmide financeira. “Não é possível ainda existirem dúvidas e não suporto mais este assunto”, escreveu ela.

Divulgadores são derrotados e bloqueio da Telexfree já segue em vigor há mais de 90 dias
Danilo Saúde, de 34 anos, continua a ser um líder da Telexfree, mas agora de uma equipe de descontentes. O publicitário encabeça um grupo de 52 divulgadores que tenta fazer aquilo que os advogados da Telexfree não conseguiram até agora: derrubar a liminar (decisão provisória) que há 91 dias bloqueia as contas e atividades da empresa , acusada de ser a maior pirâmide financeira da história do país.

Para Danilo Saúde, assim como para muitos que estão no negócio, a acusação é falsa e a Telexfree, uma empresa de marketing multinível – modelo de varejo em que cada representante comercial autônomo ganha bônus pelas vendas de outros representantes autônomos.

“Não estou entendendo onde a Justiça quer chegar”, diz o divulgador (como são chamados os representantes da empresa). “Eu trabalhava com publicidade, hoje eu tenho só a Telexfree como minha fonte de renda principal”.

Recomeço – Danilo Saúde trabalhava com publicidade em Nanuque/MG, onde teve uma agência por 12 anos. Há cerca de três anos, depois de o negócio naufragar, migrou para Novo Hamburgo/RS. Para se reerguer financeiramente, tornou-se revendedor de um aparelho eletrônico que, segundo ele, ajuda a baixar a conta de energia elétrica dos outros. O orçamento do publicitário, porém, continuava ruim.

Em julho de 2012, convidado por um amigo, Danilo Saúde entrou para a Telexfree. Pouco depois, diz, já tirava de R$ 4 mil a R$ 5 mil por mês com a colocação de anúncios na internet, revenda de pacotes de telefonia por internet (VoIP, na sigla em inglês) e recrutamento de divulgadores. Mais uns meses e o rendimento saltou para R$ 15 mil, conta.

O publicitário deixou o redutor de contas de luz de lado, fez um empréstimo de R$ 10 mil no banco para investir na Telexfree e convenceu a mulher a deixar o emprego de farmacêutica para também se dedicar ao negócio. “A gente estava bem dedicado [à Telexfree]”.

Economias – Nos últimos 3 meses, o casal vem se virando com as economias. Em 18 de junho, a Justiça aceitou liminarmente a denúncia do Ministério Púlbico do Acre (MP/AC) e bloqueou a empresa, congelando os pagamentos de todos os divulgadores.

Para os promotores, o faturamento alto da Telexfree – que permitia, como mostra o relato de Danilo Saúde, triplicar os ganhos em questão de meses – tem como fonte principal as taxas de adesão pagas por quem é recrutado. Ou seja, tira-se de quem entrou por último para dar a quem entrou primeiro, o princípio básico de uma pirâmide financeira.

“A situação financeira da pessoa muda bastante. Cai muito. Aquilo que você tinha de renda, que estava conseguindo com o trabalho, deixa de ter”, lamenta o publicitário.

Os representantes da Telexfree sempre negaram que o negócio seja uma fraude, e argumentam que ele se sustenta da venda de produtos, como o pacote VoIP. Até hoje, o caso não teve uma decisão final, mas todos os 13 recursos já apresentado pelos advogados da empresa foram negados : 9 pelos magistrados do Acre, 2 pelo STJ e 2 (idênticos) pelo STF.

Pressão, processo – O publicitário culpa a Justiça por suas novas dificuldades financeiras. Com as economias, juntou-se às dezenas de divulgadores que, em junho, foram até o Acre pressionar pela liberação da empresa. O publicitário foi um dos recebidos pela Assembleia Legislativa, onde alguns deputados fizeram fervorosos discursos em defesa da Telexfree.

Como a pressão das ruas, mesmo reverberada pelos parlamentares, não surtiu efeito, o publicitário resolveu entrar na batalha jurídica. Recorreu de novo às economias e, junto com outros 51 divulgadores, contratou um advogado de Santa Catarina para tentar liberar as atividades da empresa.

Segundo Silvio de Moraes Cesar Júnior, o profissional escolhido, a ideia é conseguir, ao menos, que os 52 divulgadores possam continuar a receber pela colocação de anúncios na internet e comercialização dos pacotes VoIP, mesmo impedidos de recrutar mais pessoas.

Danilo Saúde concorda com a hipótese, mas é reticente. É via recrutamento que se consegue lucros mais expressivos.

“Talvez não valeria a pena para todos, mas para pessoas que têm redes maiores, sim”, afirma o publicitário. “Para mim continuaria valer a pena porque gente tem divulgação do serviço em outros países”.

A ação do grupo, um mandado de segurança, chegou ao Tribunal de Justiça do Acre no início do mês. Fracassou. Na última sexta-feira (13), a desembargadora Denise Bonfim negou o pedido do grupo. Entre outros motivos, a magistrada argumentou que atender à solicitação equivaleria a reconhecer que as atividades da Telexfree, cuja legalidade está sob questionamento, são legais.

O publicitário diz que já esperava, e conta com mais sorte no STJ. Lá, porém, o histórico de decisões – aquilo que os advogados chamam de jurisprudência – sobre a Telexfree não é muito animador. Um outro divulgador já tentou uma vez, sem sucesso.

Danilo Saúde e a mulher já começaram a procurar outro trabalho, inclusive, como diz o publicitário, “tradicional”. “Não dá para aguardar para sempre”. (Do portal IG)

Telexfree sofre bloqueio judicial para indenizar associada
O juiz Gilberto Lopes Bussiki, da Comarca de Várzea Grande, determinou na última sexta-feira (13) o bloqueio de R$ 26,370 mil da empresa Yampactus Comercial, responsável pela gestão da Telexfree no Brasil. O valor é referente a ‘taxa de adesão’ paga pela esteticista Thayany Roberta de Novaes Rodrigues para ingressar nas atividades da empresa.

Consta nos autos que Thayany juntou todas as suas economias de mais de 7 anos de trabalho e que pretendia comprar um carro. Seduzida pelas milhares de histórias de que teria lucro rápido e fácil, ela investiu todo dinheiro na Telexfree.

Porém, antes de completar 1 mês no plano, a Telexfree teve as atividades canceladas e as contas bloqueadas pela Justiça do Acre. Desta forma, Thayany não conseguiu sequer recuperar o dinheiro que investiu.

Na decisão, o juiz explica que a forma de atuar da Telexfree maquia o esquema denominado “pirâmide financeira”, onde novos adeptos pagam pelos investimentos de outros até o momento em que os valores são insuficientes para a manutenção do plano. “A Telexfree se apresenta à suas vítimas como uma empresa americana que tem sede no Brasil com o fim de desenvolvimento de trabalho de MMN (Marketing Multinível) com o objetivo de publicidade digital do serviço de VOIP da empresa, e para isso recruta pessoas, como recrutou a parte reclamante, para divulgação do serviço, e para isso suas vítimas devem aplicar no negócio determinadas quantias”, diz trecho da decisão.

Como a Telexfree está com as atividades suspensas e as contas bloqueadas, o magistrado concedeu a antecipação de tutela como forma de resguardar o dinheiro investido. O dinheiro ficará disponível na conta única do Tribunal de Justiça até a conclusão do trâmite da ação por danos morais movida pela divulgadora contra a Telexfree. “Determino que a reclamada promova a restituição do valor despendido pelo autor, no montante de R$ 26.370,00, devendo referida restituição ocorrer mediante vinculação do referido valor no rosto dos autos da Ação Civil Pública em tramite perante o juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco/AC e que proceda o desbloqueio e depósito na Conta Única Judicial deste Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso”, sentencia. (Do Blog: blogs.odiario.com)