Pular para o conteúdo

Perpétua lança cartilha dos Direitos da Mulher

perpetuacartilha 
O lançamento aconteceu no auditório da Aleac e reuniu mulheres de todos os segmentos sociais. Entre elas, representantes do MPE e da Ufac. Juntas elas decidiram criar uma rede com o objetivo de mudar os números da violência no Acre. E, motivos para isso não faltam –a taxa de homicídios femininos no estado está acima da média nacional que já é considerada alta. Enquanto no resto do Brasil a taxa não ultrapassa 4,9 % em grupos de cem mil, no Acre ela sobe para 5,1%.

Nos últimos anos as taxas cresceram especialmente nos municípios de Cruzeiro do Sul, Brasiléia e Porto Acre.

Na questão dos abusos sexuais, os  dados repassados pela coordenadora da APAE- Acre, Cecília Souza  chamaram a atenção. Segundo ela, as portadoras de deficiência sofrem freqüentes abusos sexuais tanto de familiares como de vizinhos. Como elas tem dificuldade de relatar os fatos e muitas vezes recebem pouca atenção, a situação só é descoberta quando a gravidez aparece. Atualmente duas deficientes estão nessa situação.

As mulheres e homens, presentes na reunião, acataram a sugestão da deputada Perpétua Almeida para a criação de uma rede que vai trabalhar prioritáriamente na redução da violência de todos os tipos, aí incluída a emocional e a econômica.

“Vamos mudar esses números no Acre. Vamos primeiro sentar com o prefeito Marcus Alexandre, em seguida com o governador Tião Viana e dizer a eles que precisamos de uma ação de governo que resulte além da proteção em campanhas maciças de educação. Nossas companheiras precisam saber que não estão sozinhas”, afirmou Perpétua antes de viajar para Cruzeiro do Sul onde também fará o lançamento da cartilha.

A primeira dama do município Gicélia Viana, a diretora do NEGA- Núcleo de Estudos de Gênero da UFAC, Margareth Prado e as secretárias municipal da Mulher, Graça Lopes e da Igualdade Racial Lúcia Ribeiro, marcaram presença no lançamento.