Pular para o conteúdo

“Este trabalho é Dele, não meu. Jogaram-me no fundo de um poço”, diz Carlos Costa

‘Em nome de Deus’, o empresário Carlos Costa, diretor de marketing da Telexfree, falou aos parlamentares estaduais e para os presentes na galeria Marina Silva, que ficou lotada ontem. Ele disse que a empresa ainda tem um longo caminho a trilhar. Costa também criticou aqueles que afirmam que a Telexfree não tem um produto definido.

“Este trabalho é dele [Deus]. Não é meu. Jogaram-me no fundo de um poço. O que tenho que fazer é olhar para cima. Falar que tecnologia Voip não é um produto, é um burro”, ressaltou Carlos Costa.

Ele pontuou que está sendo investigado há mais de 1 ano. Contou, também, que ‘não se tem uma vírgula de prova contra a Telexfree. Costa afirmou, também, que o sucesso da empresa de marketing multinível é baseado na dignidade de seus divulgadores.

O empresário disse que, se não fosse o embargo pela Justiça acreana, a empresa teria atualmente mais de 5 milhões de divulgadores em todo o Brasil. “Esse processo foi interrompido. Poderíamos estar já com 5 milhões de divulgadores”.

Sempre em nome de Deus, Costa pontuou que as autoridades são constituídas por Deus e que ele é um predestinado dos céus para trazer as boas novas ao povo brasileiro. “Estou de passagem aqui, mas Deus me usou para fazer isso. Somos uma empresa que investe no Brasil. Temos patrimônios fixos aqui”.

Ele atentou para a criação de uma legislação especifica que contemple o marketing multinível no país, e acrescentou que a sua força é o povo. “O povo nunca ficou contra mim. A minha força é o povo, deputados”.  labrego.net

Parecendo prever mais uma derrota judicial, o empresário argumentou que a Telexfree já cumpriu o seu papel ao despertar a necessidade de se debater o tema no país. “É um tema que aflorou. Se a Telexfree voltar ou não voltar, ela já fez o que tinha que fazer”, concluiu Carlos Costa.