Pular para o conteúdo

Operação Papai Noel garante a paz de quem vai fazer compras neste final de ano

Devido à proximidade do início de dezembro, mês de maior fluxo de dinheiro no comércio, o comando da Polícia Militar começa nesta sexta-feira, 22, em todo o Estado, a tradicional Operação Papai Noel. Com o reforço de 210 policiais a mais nas ruas, além dos alunos soldados, a operação tem como objetivo inibir atos criminosos nesta época do ano. Comerciantes confirmam que o reforço vem em boa hora.

A ação será encerrada apenas no dia 2 de janeiro de 2014. De acordo com o comandante cel. José dos Reis Anastácio, a operação foi antecipada devido ao início do calendário de pagamento do 13º salário do setor privado.

“Sabemos que o volume de recurso em circulação aumenta a partir deste período, assim como também aumenta a quantidade de pessoas mal-intencionadas. O número de policiais nos centros comerciais da Capital será intensificado. Queremos garantir a tranquilidade da sociedade neste final de ano”, destaca o comandante.

Segundo o comerciante Raul Lima, o reforço na segurança é fundamental para trabalhar neste período. “Sabemos dos cuidados que devem ser tomados neste período. Mas, para nós que trabalhamos com dinheiro, a sensação de segurança é maior quando existem policiais constantemente no Centro”, confirma.

Lojistas esperam que, a partir da 2ª quinzena deste mês, o movimento tenha um acréscimo. Para incentivar as compras, as vitrines já estão com decoração natalina. Segundo a recepcionista Alane Silva, a presença de policiais garante tranquilidade nas compras. “Me sinto mais segura de andar na rua nesta época, com tanto dinheiro em circulação”, confirma.

Fiscalização sobre presos que gozam de algum benefício
O comandante cel. José dos Reis Anastácio confirma que haverá uma maior fiscalização sobre os presos que gozam de algum benefício e estão fora das unidades prisionais. “Temos conhecimento de que a reincidência é alta de pessoas que estão fora das unidades prisionais, vamos acompanhar o máximo essas pessoas na tentativa de evitar que elas comentam novos crimes”, destaca o coronel.