Pular para o conteúdo

Largada da Race Across Acre tem chuva, governador e atletas dispostos

largada race across - foto jp 74

Chuva, participação do governador do Acre e ciclistas animados. Assim foi a largada da Race Across Acre, no início da tarde desta sexta-feira (27), em frente ao Palácio Rio Branco, na capital acreana. A primeira edição da prova tem a participação de 17 equipes (quase 100 atletas) e um percurso de 640km, na BR-364, no trecho entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul. A premiação total é de R$ 16 mil.

Após uma manhã de calor, a largada foi debaixo de muita chuva. Mesmo com o atraso de 30 minutos do governador do Acre, Tião Viana, os quase 100 competidores partiram dispostos para a prova inédita. O político participa com uma bicicleta elétrica apenas até a Usina de Arte João Donato, onde a competição começa para valer.

Na Usina de Arte, as equipes começaram a se dividir. Cada equipe é formada por cinco atletas masculinos e uma feminino. Além disso, é obrigatório um técnico e um mecânico. Cada time é acompanhado por dois motoristas e um árbitro. A partir da Usina de Arte, dois ciclistas de cada equipe pedalam juntos, com revezamento a cada uma hora entre os outros membros.

“Do ponto de vista esportivo, queremos que essa prova seja um divisor de águas no ciclismo acreano, tornando essa competição uma referência na região e chame a atenção dos atletas pelo país. Acredito que uma prova como essa ajuda no crescimento dos atletas acreanos e incentiva eles, além de marcar a integração do Estado, com a conclusão da BR-364”, comentou um dos organizadores, Cassiano Marques.

Campeão, Jacaré prevê clima pesado
Um dos ciclistas mais experientes do esporte acreano, Antônio Nascimento, o Jacaré, 52 anos, compõe a equipe da OAB Bike-Acre, participa pela primeira vez de uma prova desse porte e com a duração de cerca de 22 horas. Para ele, a maior dificuldade é o clima da região.

“Minha maior vitória é concluir a prova e chegar entre os três primeiros lugares. Muita gente acha que é fácil, mas não é. Acho que teremos muita dificuldade com o clima, que é pesado. Vamos enfrentar sol e chuva”, destacou o atleta.

Para o bombeiro Carlos Gundim, 47 anos, da equipe Bombeiro Iroman, a motivação em divulgar o esporte incentivou os atletas a participar da competição. Apesar das limitações, o atleta afirmou que a equipe entra para ser campeã.

“É a primeira vez que participo e o desafio de estar na prova fez a gente montar a equipe. Acho que a alimentação é a principal dificuldade, porque precisamos comer as coisas na hora certa. Com a dedicação de cada um, entramos para ganhar”.

50 km de treino
Entre as 17 equipes, uma das mais preparadas para a prova é a Crossfit Rio Branco. Um dos componentes é o funcionário público Aloisio Betomini, 32 anos, que pratica ciclismo há três anos. A rotina pesada de treino é o ponto forte do time. A cada dois dias, os atletas correm cerca de 50km/h.

“Os exercícios fazem parte da nossa academia e é um desafio participar de uma competição dessa. Não queremos nem ganhar, queremos chegar em Cruzeiro do Sul. O cansaço físico é a principal dificuldade, mas acredito que a parceria da equipe é fundamental. Estamos fisicamente e psicologicamente preparados”.