Pular para o conteúdo

Governador Tião Viana entrega 2º Prêmio de Direitos Humanos

A ativista Francisca Marinheiro foi agraciada pelo prêmio por sua atuação Foto Sérgio Vale SecomO governador Tião Viana participou na manhã desta sexta-feira, 6, da entrega do 2° Prêmio de Direitos Humanos. A cerimônia aconteceu no auditório da Secretaria de Fazenda (Sefaz) e fez parte da programação da Semana de Direitos Humanos. O prêmio é voltado tanto para pessoas físicas quanto entidades, uma forma de agradecer todos aqueles que contribuem para uma sociedade norteada pelo respeito, acesso a garantias e, principalmente, na construção de um ambiente pacífico para o Estado.

“O significado dos direitos humanos é muito maior do que a gente imagina. Vai muito além do alcance do próprio poder do estado. Pessoas que se dedicam a esse trabalho são as que realmente mostram o que é o amor ao próximo. Essas pessoas para mim são símbolo de vida”, disse o governador Tião Viana.

Organizado pelo Conselho Estadual de Direitos Humanos e Cidadania (CEDHAC), este ano o prêmio teve cinco concorrentes na categoria pessoa física e três concorrentes na categoria instituição. A vencedora pessoa física foi a ativista Francisca Marinheiro. Já o prêmio para instituição ficou com o Morhan.

Líder comunitária, política e religiosa, Francisca Marinheiro tem uma trajetória de vida dedicada aos mais pobres e fundou o Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Diocese de Rio Branco. Muito feliz pelo reconhecimento ela afirma que: “Sou mulher, sou baixinha, mas não fujo a luta. Fico muito feliz por esse prêmio e continuarei fazendo meu trabalho com toda dedicação”.

Já o Morhan é uma entidade consagrada pelo trabalho realizado em defesa dos portadores de hanseníase. Fundada por Francisco Vieira Nunes, o falecido “Bacurau”, o Morhan coleciona histórias de luta contra o preconceito e a desinformação. Elson Dias, coordenador da instituição, foi quem recebeu o prêmio.

Para o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Nílson Mourão, esse é um momento especial. “É muito importante reconhecermos o trabalho dos outros. E esse prêmio é uma coisa tão singela perto da grandeza do trabalho realizado por essas pessoas. Queremos todos que se dedicam a defesa dos direitos humanos firmes em seus propósitos até o último suspiro”.

Durante a entrega do prêmio, o auditório parou para prestar um minuto de silêncio ao líder Nelson Mandela. Falecido nesta quinta-feira, 5, o ex-presidente sul-africano é um símbolo de luta e respeito pelos direitos humanos em todo o mundo. (Samuel Bryan / Agência Acre)