Pular para o conteúdo

De coração

Ah, se alguns momentos na vida da gente pudessem ser eternizados! Se pudesse, gostaria de abrir a gaveta da memória e sentir todas às vezes que quisesse a emoção do nascimento dos meus filhos, as últimas palavras da minha mãe…

Na minha trajetória política, um desses momentos foi aquela plenária da Frente Popular do Acre, às 7h, do dia 17 de fevereiro último. Ver e ouvir todas aquelas lideranças que mudaram o Acre e o Brasil para melhor, endossarem o meu nome, depositando em mim sua confiança, foi uma das coisas mais emocionantes da minha vida!

Imagine o que é para a garota do seringal, que conheceu chuveiro aos 14 anos de idade e que saiu da distante Porto Walter, ouvir o governador, senadores, deputados, dirigentes partidários depositando nela sua confiança e se comprometendo. Enquanto eles falavam eu lembrava a minha origem. E na medida em que as lágrimas escorriam pelo meu rosto, eu crescia. Quando fui falar, já havia deixado para trás meu 1,50m de altura. Já era uma mulher-onça de 2 metros, disposta a enfrentar os desafios. Porque a união me fez forte!

Um momento em especial, me marcou mais que os outros. A fala do senador Aníbal Diniz (PT). Essa fala confesso para vocês me pegou de surpresa. Nada havia me preparado para aquilo. Nosso contato político e social, até então, não tinha permitido que eu o enxergasse em toda a sua grandeza, humana e de homem público. Suas palavras, “eu renuncio porque agora é a vez das mulheres”, foram para mim o maior exemplo de defesa das mulheres. Virei fã do Aníbal, este homem que em nome do sucesso coletivo, abriu mão do sucesso individual!

Ainda sinto um friozinho na barriga pelo desafio que tenho pela frente. E esse 2014 já é um ano simbólico. Ele reúne o resultado das nossas lutas por mais espaço de poder para a mulherada. Esses seres de uma só face, mas, de mil instrumentos, imensa coragem e sensibilidade à flor da pele. Que encaram de frente as lutas ferozes e não têm medo de careta. Que depois das batalhas juntam os pedaços, se recompõem, se reconstituem e vão ninar o filho com doçura no olhar e no coração. Traduzimos tudo isso para a vida pública, nossos sentimentos, nossa disposição, nossa coragem de seguir lutando. Porque mulher é assim, cuida do que é público com carinho de mãe. E sei que mais que antes, todos os olhos estão voltados para nós. Para mim, para a Nazaré indicada à vice na chapa do governador Tião Viana, para a Dilma na presidência. Aliás, essa, muito mais cobrada do que foram todos os homens que passaram por lá. É como se na cabeça dos brasileiros, Dilma tivesse que ser infalível.

O fato é que nós, mulheres, sempre escolhemos seguir em frente. Às vezes, com aquele frio na barriga. Mas, para não trair expectativas, nos vestimos de confiança, de companheirismo, de amor e de coragem. Porque como dizia a escritora Clarice Lispector: “o mundo fica mais bonito quando a gente carrega coisas boas no peito”.

* Perpétua Alemida é deputada federal.