Pular para o conteúdo

Combustíveis e gás de cozinha são prioridade no abastecimento

 Em mais uma reunião entre governo do Estado e empresários do abastecimento acreano nesta sexta-feira, 7, novas estratégias foram traçadas, garantindo que não haverá desabastecimento no Acre. As prioridades passam a ser manter os estoques de combustíveis e de gás de cozinha, já que os de alimentos têm mantido reservas estáveis no estado após as últimas medidas.

 O Acre está em situação de emergência desde que a cheia do Rio Madeira tomou um trecho da BR-364, entre Rio Branco e Porto Velho. A rodovia é a única ligação do estado com o restante do Brasil. Com a obstrução da passagem por via terrestre, são necessárias outras estratégias de abastecimento.

 Está prevista para a madrugada de sábado a chegada da primeira balsa com carregamento de gás de cozinha, trazendo 450 toneladas para abastecimento de botijas. Uma verdadeira operação de guerra está sendo montada para que o gás saia do porto de Rio Branco e vá para a distribuidora onde será engarrafado, seguindo todos os padrões da Petrobras. Ainda no fim de semana, outra balsa de gás chegará, com demanda para abastecer principalmente o Juruá.

Combustíveis – Com a situação do gás normalizada a partir do fim de semana, os combustíveis passam a ser a prioridade. Atualmente, todos os postos de Rio Branco estão com os estoques de gasolina normalizados, com exceção daqueles que não aceitaram o novo sistema de distribuição imposto pela situação causada pela cheia do Rio Madeira.

 O problema maior tem sido com o diesel S-10, que se tornou mais escasso. Uma nova balsa com cinco milhões de litros de combustível está chegando a Cruzeiro do Sul, mas com previsão de atracamento apenas no dia 14. Outras distribuidoras têm se mobilizado para fazer a travessia por balsa a partir de amanhã. “Pelas soluções que estão sendo tomadas, temos certeza de que não haverá desabastecimento no Acre, no máximo uma redução da oferta enquanto essa situação durar”, disse o representante da Agência Nacional de Petroléo (ANP), Noel Moreira Santos.