Grávida de apenas 23 anos morre carbonizada em incêndio criminoso

A dona de casa Rosicleia de Sousa, 23 anos, grávida de três meses, morreu em um incêndio que destruiu a casa onde ela morava, no bairro José Hassem. A Polícia Civil de Epitaciolândia, na fronteira com a Bolívia, acredita que não foi uma fatalidade e sim um incêndio criminoso. E o principal suspeito é o próprio marido da vítima, Francisco Pereira da Silva, que morava junto com a vítima no local.

Era por volta das 22h de sexta-feira, 31, quando vizinhos do casal perceberam uma discussão entre eles. Em seguida, a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros foram acionados por causa de um incêndio no lugar.

Como a casa era construída de madeira, as chamas destruíram tudo antes que os bombeiros pudessem tentar salvar algo, a não ser as casas vizinhas. Elas foram resfriadas para evitar que as chamas também as atingissem.

Mas o pior estava por vir. Os vizinhos, categoricamente, afirmaram aos policiais militares que Rosicleia Sousa estava dentro da casa e não foi vista saindo. Já era começo da madrugada quando os homens do Corpo de Bombeiros reviraram os escombros do incêndio e encontraram o corpo da mulher carbonizado.

Suspeito preso – Policiais civis durante conversa com o marido que chegou ao local horas depois desconfiaram das contradições do que o homem afirmava mediante as perguntas das autoridades policiais.

O delegado deu voz de prisão contra Francisco Pereira que na delegacia continua afirmando ter saído de casa para comprar mais cachaça e que a mulher supostamente tenha cometido suicídio já que nos últimos dias falava muito em morrer.

Tragédia em Epitaciolândia 3 Tragédia em Epitaciolândia 4

Assuntos desta notícia