Conta de energia sofrerá pelo menos três reajustes em 2015

 A conta de energia elétrica não para de subir. Além dos reajustes que já estão sendo cobrados – como a tarifa por bandeiras -, outros devem ser incluídos na conta ainda neste ano. Pelo menos três novos aumentos estão previstos para 2015, decorrentes de dois motivos diferentes: o fim de ajuda do Tesouro Nacional e a alta na bandeira tarifária vermelha, que compõem o leque que vai gerar aumento na conta em três etapas.

Na questão da bandeira tarifária, a Aneel vem realizando audiências públicas antes de aumentar a cobrança, que passará de R$ 3,00 para R$ 5,50 a cada 100 kWh consumidos, na bandeira vermelha. O aumento passa a valer a partir do dia 1º de março.

Mas, o principal fator de aumento da luz será o fim do aporte do Tesouro Nacional à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), encargo embutido na conta. Até o ano passado, era pago pelo Governo Federal, evitando que fosse repassado aos consumidores. Agora, essa cobrança volta para tarifa.

É da CDE que sai o dinheiro para pagamento de indenizações às companhias geradoras e transmissoras de energia que aceitaram renovar as concessões em 2012, em uma tentativa do Planalto de reduzir a conta em 20%.

Cada companhia de energia tem um reajuste específico, porque o cálculo para aumento de tarifa leva em consideração, entre outras coisas, a situação financeira de cada uma e os prazos dos contratos de compra de energia.

Também vai acontecer um reajuste extraordinário que será aplicado a partir de março. O objetivo é antecipar para as distribuidoras a receita que só viria com o reajuste tarifário tradicional do ano.  No Acre e em toda região Norte, o aumento será de 4%, o menor do país, porque a região não recebe energia de Itaipu, paga em dólar.

A reportagem de A GAZETA entrou em contato com a assessoria da Eletrobrás Distribuição Acre. A assessoria informou que Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é o órgão responsável pelas definições de valores das tarifas de energia para as distribuidoras de todo o Brasil, obedecendo a critérios técnicos e de acordo com as peculiaridades de cada concessão e região.

“Assim como os consumidores, as distribuidoras de energia também aguardam o posicionamento da Agência que, em momento oportuno, se posicionará com referência à revisão dos valores das tarifas de energia”, informou a assessoria da Eletrobrás no Estado.

Bandeiras Tarifárias

O consumidor pode identificar qual é a bandeira do mês e usar a energia elétrica de forma mais consciente, sem desperdício. Assim, a conta de luz pode ficar mais barata e a bandeira pode mudar de cor – do vermelho para o amarelo e deste para o verde, por exemplo.

Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre acréscimo.

Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa tem acréscimo de R$ 2,50 para cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos.

Bandeira vermelha: condições mais custosas de geração. A tarifa tem acréscimo de R$ 5,50 para cada 100 kWh consumidos.

 

Assuntos desta notícia