Semana Santa: entenda o significado de cada dia celebrado pela Igreja Católica

Padre Massimo Lombardi explica a programação que começa neste domingo com a Santa Missa de Ramos. (Foto: Arquivo A GAZETA)
Padre Massimo Lombardi explica a programação que começa neste domingo com a Santa Missa de Ramos. (Foto: Arquivo A GAZETA)

A Semana Santa é um tempo de muita graça. Até a Sexta-feira da Paixão e domingo de Páscoa muitos outros rituais e missas são celebrados pela Igreja Católica. Em entrevista exclusiva ao jornal A GAZETA, o padre Massimo Lombardi, explica que a Semana Santa é a reta final da quaresma – período de quarenta dias que antecedem a principal celebração do cristianismo, a Páscoa.

“A Semana Santa é comemoração da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Esse é o fundamento do cristianismo, porque nada teria acontecido se não tivesse a doação a entrega de Jesus através da sua morte e depois da vitória que é a ressurreição. Então, nós acreditamos que Jesus foi fiel ao plano de Deus Pai para salvar toda a humanidade”, explicou o padre.

Celebração ecumênica
Ainda durante o domingo de Páscoa, há quatro anos, em Rio Branco, membros de diversas religiões sem reúnem e realizam um lava pés. Este ano, a celebração deve acontecer na Cidade do Povo, às 9h.

“Várias igrejas já confirmaram participação. Igreja Batista, Presbiteriana, Igreja Quadrangular, Assembleia de Deus, entre outras. Nós iremos fazer uma celebração ecumênica com o lava pés. O pastor lava os pés do padre, o padre lava os pés do espírita, e por aí vai. No lugar de combater o outro, nós fazemos como Jesus, lavando os pés do outro e servindo. Convidamos todos, sobretudo aquelas pessoas que tem aquela ideia de competição entre as religiões”, concluiu o padre Massimo.

Entenda o que acontece em cada dia da semana de Páscoa e o significado das missas:

Domingo de Ramos (20 de março)
Apesar da Semana Santa começar no sábado de Ramos, 19 de março, é no domingo que acontece a procissão e a Santa Missa de Ramos. A entrada de Jesus na cidade de Jerusalém é representada neste dia.

“É quando Jesus é acolhido na cidade de Jerusalém, e deve ser acolhido também na nossa vida, no nosso coração. Jesus entra em Jerusalém montado em um jumento, diferente da entrada dos imperadores. Quando ele é aclamado de maneira muito simples e humilde. Jesus não invade a vida da gente, ele bate na porta para entrar”, contou Massimo.

Segunda, terça e quarta-feira santas (21, 22 e 23 de março)
Nesses três dias são realizadas confissões e missas. Neste momento os fiéis fazem pedidos a Deus, de bons frutos na vida pessoal e religiosa. “Na quarta-feira fazemos uma festa antecipada de quinta. Convidamos todos os padres, paróquias, fiéis para uma missa de comunhão fraterna, que seria a missa que se consagra os santos olhos”, relatou o padre.

Quinta-feira Santa (24 de março)
Em Rio Branco, neste dia pela manhã e parte da tarde os padres estão à disposição da confissões. A noite, a igreja celebra a ceia do Senhor em alusão a última ceia entre Jesus Cristo e os 12 discípulos, antes da crucificação. Nela, como acredita a Igreja Católica, Jesus irá instituir o sacramento de seu corpo e de seu sangue.

Depois, acontece a missa do lava pés. Doze pessoas são escolhidas aleatoriamente para que o padre lave seus pés, em referência ao momento em que Jesus ensina a humildade aos discípulos lavando os pés deles.

Sexta-feira da Paixão (25 de março)
Neste dia, exatamente às 15h, considerada a hora nona pela Bíblia, os fiéis se reúnem para celebrar a paixão e a morte de Jesus Cristo. O momento é dividido em quatro partes, o momento da paixão anunciada, envocada, venerada e comungada.

A procissão do Cristo Morto, às 17h, lembra o momento em que os discípulos retiram o corpo de Jesus da cruz e o sepultam. Às 18h30, acontece a encenação da paixão e Morte de Cristo, em frente ao Palácio Rio Branco.

“Essa é uma festa mais tradicional, sobretudo os mais antigos são acostumados ao sofrimento, eles se identificam muito com o Jesus sofredor. Mas a gente quis o sentido de vitória, que é a multidão que reunimos no domingo de madrugado, no alvorecer”, esclareceu o padre Massimo.

Sábado de Aleluia (26 de março)
Durante o dia não acontece missa, apenas a noite é celebrada a vigília Pascal. Neste dia, os fiéis devem levar velas. O padre abençoa o fogo e acenderá uma grande vela – chamada de Círio Pascal. Esta vela representa Jesus ressurrecto, é decorada com símbolos religiosos, como por exemplo, a primeira e última letra do alfabeto grego, Alfa e Ômega. As letras, segundo a tradição, indicam que Jesus é o início e o fim de tudo.

Domingo de Páscoa (27 de março)
Neste dia é celebrado a ressurreição de Jesus Cristo. A programação começa ainda na madrugada de domingo, às 4h, acontece o Alvorecer da Ressurreição. “Esse é o sentido de vitória. Jesus morreu, mas depois ressuscitou”. Depois, às 5h, aconteceu a Santa Missa, na Concha Acústica. Durante o resto do dia, são celebradas missas com hinos e trechos bíblicos sobre a ressurreição.

BOX

Assuntos desta notícia