Jovem acreano investe mais de R$ 2 mil e cria sua própria cerveja artesanal

 A diferença entre a cerveja industrial e cerveja artesanal é basicamente o processo de produção. A primeira é produzida em grande escala e a outra é produzida quase que de ‘forma caseira’. Há quem diga que as cervejas artesanais são mais saborosas, outras pessoas já preferem a cerveja comum.

O estudante Natan Peres, de 23 anos, descobriu sua paixão pelas cervejas artesanais no começo deste ano após uma viagem para a Argentina. “Provei a cerveja artesanal deles, depois fui tomar uma cerveja comum, e percebi que o sabor da artesanal era muito melhor”.

Insatisfeito com o sabor da cerveja comum que consumia, o jovem decidiu produzir sua própria bebida. O investimento de R$ 2.500 rendeu 26 litros de cerveja artesanal Peres, nome dado para a bebida.

Natan conta que o processo de produção da cerveja levou 21 dias, entre produção, fermentação e maturação. Amador, ele explica que pegou a receita da bebida na internet e seguiu o passo a passo “com muita paciência e vontade”.

A bebida que a princípio era para consumo próprio fez sucesso entre os amigos, que já estão aguardando a próxima remessa. “Dei algumas garrafas de cortesia para alguns amigos e conhecidos, e eles quiseram mais. Outras garrafas tive o prazer de tomar, e posso dizer que o sabor ficou além do que eu esperava. Muitas pessoas elogiaram e já pedem que eu faça outra”.

Apesar de dividir seu tempo entre estudos e trabalho, o estudante afirma que a próxima remessa deve ficar pronta em abril. Ao todo, serão produzidos 35 litros de Peres. “Já está praticamente todo comprometido com a demanda de amigos que encomendaram”, acrescentou.

Mercado de cervejas artesanais

O hobby do jovem pode virar negócio, e a cerveja Peres pode entrar para o mercado de cervejas artesanais. Natan quer legalizar sua situação para poder produzir e vender, mesmo que em pequena escala, para amigos e conhecidos.

Quem provou, aprovou

O servidor público João Paulo, de 29 anos, foi uma das pessoas que experimentou a bebida. Ele diz que gostou do sabor da cerveja, e garante que seria um consumidor assíduo, caso Natan decidisse comercializar a bebida.

“A cerveja tem um sabor digno das artesanais. Lembra uma Erdinger alemã, saborosa, levemente encorpada. Fez um grande sucesso em casa, eu e meu pai tomamos três garrafas de um litro, com aquele gosto de quero mais”, disse.

Cervejeira, a nutricionista Ingride Andrade, de 25 anos, gostou tanto da cerveja que já encomendou algumas garrafas da próxima remessa. “Muito boa, bem concentrada. É uma cerveja que além de gostosa, foi feita com ingredientes bem selecionados. E tem um sabor muito agradável”.

Assuntos desta notícia