Clarificando o conceito de tradução certificada

Em que pensa quando lhe falam em tradução certificada? Talvez pense na tradução feita por um oficial público. Em alternativa, talvez considere ou pergunte “certificada por quem?” Ou “De que tipo de certficação estamos falando?” As expressões que usamos no português do cotidiano nem sempre são claras. Aqui vamos empregar um pouquinho de nosso tempo esclarecendo o que a “tradução certificada” pode querer dizer.

Tradução juramentada: a certificação jurídica

A categoria de tradução certificada que as pessoas associam mais imediatamente a essa expressão é a tradução juramentada. Para reconhecer legalmente uma tradução como válida, o Estado brasileiro exige que ela seja feita por um tradutor juramentado, que teve de ser aprovado em concurso público e é reconhecido em seu estado de residência como oficial com poderes públicos. Sua assinatura faz com que uma tradução (que se presume feita por ele mesmo) tenha valor legal junto de qualquer instância do Estado brasileiro, desde o nível federal ao municipal.

E podemos presumir que a tradução está correta. Não é só por o tradutor juramentado ter todo o interesse em manter a qualidade de seu trabalho, uma vez que tem sua profissão protegida por lei (inclusive ao nível dos preços cobrados). É também porque ele é responsável pelo conteúdo da tradução perante o Estado, ao nível civil e criminal também.

Outros tipos de tradução certificada

Fica mais fácil explicar recorrendo a exemplos. Imagine que um candidato a um emprego, por exemplo, em uma grande empresa multinacional no exterior precisa apresentar comprovativos de sua formação. Agora suponha que ele precisa apresentar comprovativos com tradução feita por um profissional, por sua vez certificado por determinada organização. Nos Estados Unidos, a ATA (AmericanTranslatorsAssociation) tem um peso muito forte, atuando como um verdadeiro sindicato. Aí o candidato poderá precisar de uma tradução certificada, isto é, feita por um profissional certificado pela ATA.

Naturalmente, a tradução juramentada não entra nesse cenário, pois esse regime pode ou não ser aceito no exterior. E é muito natural que governos e empresas privadas em outros países ignorem uma certificação que é exclusiva do Estado brasileiro.

Um exemplo semelhante poderia acontecer no Brasil. Determinada empresa poderia exigir uma tradução para a contratação de um funcionário ou para o fecho de um negócio. Adicionalmente, o tradutor responsável deveria apresentar um certificado de habilitações para comprovar sua qualidade e profissionalismo.

Os dois exemplos provam que existe flexibilidade quando falamos em “tradução certificada”. Quando encontramos um profissional ou empresa apresentando esse serviço, podemos tentar verificar exatamente quando são as condições que estão sendo oferecidas ou apresentadas.

Em busca da qualidade

De um jeito ou de outro, tradução certificada é sinônimo de qualidade. Um exemplo diferente de todos os anteriores poderia ser, simplesmente, que o cliente quer que determinada tradução seja feita por um profissional qualificado. Ainda que não tenha uma terceira parte exigindo. Um tradutor profissional com formação investiu em seu desenvolvimento e formação. E conseguiu bons resultados na avaliação. Sucesso escolar e acadêmico sempre foram sinal de que está ali alguém que está pronto para apresentar trabalho com qualidade no futuro.

Assuntos desta notícia