Menos30 Fest: Sebrae participa de debates e oficinas sobre empreendedorismo e transformação digital

O Sebrae comandou diversas ações realizadas na segunda-feira, 31/8, no primeiro dia do festival de empreendedorismo Menos30 Fest. O evento produzido pelo grupo Globo tem como objetivo debater o empreendedorismo jovem e a transformação digital em tempos de pandemia. O primeiro Grande Debate do dia foi conduzido pela jornalista Fernanda Gentil e contou com a presença do gestor de inovação do Sebrae Paulo Renato; da Luiza Trajano, do Magazine Luiza e Maitê Lourenço, da Blackrocks. Os convidados falaram sobre os principais desafios e oportunidades para jovens que desejam empreender. Também trataram das principais mudanças de comportamento do consumidor em razão da pandemia do coronavírus.

Paulo Renato iniciou a conferência trazendo um panorama sobre a importância da transformação digital nas empresas. “Em comparação com outros países, nós vivíamos numa economia pouco digital. A pandemia acelerou o processo de digitalização nas pequenas empresas. Com a crise do coronavírus, percebo que muitos negócios ainda encaram as vendas digitais como um quebra galho, não trabalham a transformação digital para ser um fator permanente. Muitos ainda têm resistência ao processo, por diversos motivos. Mas o consumidor mudou, ele quer opções híbridas, quer o poder de escolha para comprar presencialmente e digitalmente. Infelizmente, quem não se adaptar no mundo digital ficará para trás”, alertou.

Luiza Trajano, do Magalu, reafirmou a necessidade das empresas construírem uma presença no mundo online. “O digital não é só um modo de fazer as coisas, eu sinto que realmente é uma nova cultura que temos que nos adaptar. O caminho é longo, mas tenho certeza que será muito produtivo”, ressaltou. A empresária destacou ainda que além de fazer negócios na internet, há que se preocupar em passar valores através da atuação digital. “A pandemia nos mostrou como é fundamental oferecer novas formas de consumo e como as empresas precisam estar atentas para gerarem responsabilidade social”, afirmou.

Maitê Lourenço, da Blackrocks, observou que a pandemia expôs problemas sociais brasileiros, tais como o racismo e a desigualdades. “Esse momento traz diversos desafios. Temos os obstáculos do dia a dia, porque muitas pessoas não conseguem ter acesso à internet. Não podemos responsabilizar só o indivíduo, estão envolvidas diversas questões. Temos que trabalhar para que o acesso à web seja cada vez mais democrático. Quando a pandemia chegou, grande parte da população não estava preparada para ela. Hoje não dá mais para pensar o mundo e o empreendedorismo sem o digital. Então, os jovens precisam pensar nisso e procurar se promover digitalmente. Outro desafio é o racismo estrutural, temos 56% da população do país feito por pessoas negras, elas precisam ocupar cargos de chefia, temos que incentivar o empreendedorismo negro para que lideranças sejam formadas. Essas são ações de reparação social”, alertou.

Em relação ao novo formato de trabalho adotado por diversas empresas, em estilo home office, o gestor de inovações do Sebrae, Paulo Renato analisou que a tendência é que o mercado se adapte e muitos negócios adotem um modelo com opções presenciais e online. “A pandemia revelou que algumas profissões não precisavam se deslocar de casa para o trabalho, para ter a produtividade. Algumas empresas vão entregar seus escritórios, outras irão equilibrar um modelo de home office e o trabalho presencial”, afirmou.

Oficinas criativas

O Menos30 Fest contou ainda com atuação do Sebrae na Oficina de Empreendedorismo e Criatividade Digital. O evento, liderado pelo gestor de soluções do Sebrae, Diego Wander, levou conhecimento e interatividade para diversos participantes. O público foi dividido em turmas com tutores que realizaram atividades práticas sobre alguns livros que tratam do empreendedorismo, entre eles títulos como “Confiança Criativa” e “Vai lá e Faz”. A dinâmica esteve focada em discutir as principais características que uma pessoa que deseja empreender precisa desenvolver.

“A transformação digital envolve, além das mudanças práticas, uma mudança de mentalidade. Recomendo que os jovens que sonham com empreendedorismo usem a própria internet para absorver conteúdo. Temos uma infinidade de cursos, vídeos e conteúdos voltados para isso na própria página do Sebrae, disponibilizados gratuitamente. Outro ponto importante é ficar de olho em como o comportamento dos consumidores está mudando, novas dores estão surgindo, significa que novas soluções precisam ser criadas”, incentivou Wander. O Menos30 Fest continua falando sobre negócios, inovação e transformação digital até a próxima sexta-feira (4/9). A programação é gratuita e pode ser acessada aqui. (Assessoria Sebrae)

Assuntos desta notícia