Lives e outras evoluções do mundo de mídia chegam antes no mundo dos cassinos

Antigamente, as diversões online pareciam ficar isoladas aos que mais usavam os computadores que antes ficavam confinados aos nossos quartos, ou bem no meio da sala para que todos pudessem observar o que estava sendo visto nas telas do PC. Mas desde o fim da década passada, a tela única passou a não ser mais o bastante para os componentes da casa, com cada um ganhando sua(s) tela(s) onde pudessem assistir, ler e ouvir aquilo que encaixa melhor em suas preferências.

Isso representou uma democratização da dispersão de conteúdo não só em casa, uma vez que agora as pessoas não são mais “obrigadas” a negociarem entre assistir o jogo de futebol ou a novela na única televisão da residência; mas também do conteúdo produzido na internet, que se tornou muito mais diverso a partir do momento que demanda foi criada para que mais produtos de mídia em vários âmbitos pudessem ser lançados e vistos por milhares – se não milhões – de pessoas ao redor do país e do mundo.

O exemplo mais claro disso recentemente são as “lives” que chegaram até aos grandes canais de televisão este ano. No Acre, as transmissões ao vivo de Sandra Melo e das duplas Junior e Thiago e Ângelo e Weslley tiveram causas nobres como a arrecadação de alimentos, e de recursos para obras sociais do estado.

Mas enquanto “lives” e outros fenômenos online podem ser novidade para algumas indústrias e seus respectivos consumidores, este não é o caso para mundos como os de cassino. Algo que se explica por meio da busca intensa desse mercado em conseguir vantagens competitivas sobre seus rivais, o que impulsiona o desenvolvimento concorrencial e também tecnológico da indústria como um todo.

Cassinos estão entre os pioneiros no investimento em negócios online, a partir do desenvolvimento de jogos da indústria que já tinham como foco a internet quando a mesma ainda dava os seus primeiros passos. A empresa Microgaming, baseada na Ilha de Man, foi quem desenvolveu a primeira plataforma de apostas digitais em meados de 1994. Usando uma solução desenvolvida pela companhia CryptoLogic para garantir a segurança das eventuais transações, isso tornaria o negócio protegido contra quaisquer tipos de riscos que a internet àquele tempo poderia oferecer.

Desde então, a indústria evoluiu a passos bem largos, com centenas de empresas surgindo ao redor do mundo para desenvolver diversos tipos de jogos para as plataformas de cassino digitais, que eventualmente ganhariam lugar também em cassinos físicos. E os cassinos digitais viraram não só parte altamente relevante dos ganhos da indústria como um todo, mas também uma maneira de entrar em mercados e quebrar barreiras que fisicamente poderiam ser intransponíveis por um conjunto de fatores.

Nesse contexto, surgem empresas como a Royal Panda que, em associação com grandes empresas do mercado de desenvolvimento de jogos de cassino como a NetEnt e a já mencionada Microgaming, dispõem de uma grande variedade de jogos de slots, roleta, blackjack e afins para a sua clientela. E o catálogo destas plataformas continua a crescer graças também aos jogos de cassino ao vivo, que coloca jogadores frente a crupiês de verdade em várias partes do globo.

Investimentos nesses âmbitos exigem não só quantias vultuosas em dinheiro, mas também um perfil arrojado para que essas quantias sejam gastas nas evoluções tecnológicas que permitam a manutenção de um sistema online seguro e ao mesmo estável para a clientela. É isso o que cassinos online tentam prover em suas transmissões ao vivo, e também em tantos outros jogos que eles oferecem.

Inevitavelmente, o resto do mundo de entretenimento se veria também tendo que buscar novas soluções tecnológicas para que a inércia não tomasse conta do ambiente outrora competitivo dos mercados que ali estão inseridos. Algumas destas soluções são próprias, enquanto outras tem pelo menos um degrau de inspiração em iniciativas de outrem.

Um dos exemplos mais claros disso no âmbito de entretenimento são as plataformas de streaming. Com a Netflix sendo a primeira empresa a descobrir o rumo até o “Eldorado” digital de streaming de vídeo, gigantes da tecnologia como a Amazon, e também de mídia como a Globo foram logo atrás. Esta última tem agora como grande chamativo em seu serviço Globoplay a possibilidade de se assistir os canais Globosat, antes exclusivos para o serviço de TV por assinatura, a partir do streaming via internet.

Aqui, a luta acaba sendo mais ardilosa pelo motivo das empresas estarem buscando um domínio quase que total do mercado, uma vez que no estado atual do mundo de tecnologia é difícil conseguir lucros sem estabelecer um monopólio – onde uma só empresa controla mais da metade do mercado – ou um oligopólio – onde poucas empresas dominam o setor. Ao contrário do universo de cassinos, onde existem uma multiplicidade de plataformas e jogos a serem escolhidos, dependendo das preferências de cada cliente.

Assuntos desta notícia