Entrega do Prêmio Bacurau de Direitos Humanos é marcada pela emoção dos homenageados

No dia do 72º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a prefeita Socorro Neri fez a entrega da segunda edição do Prêmio Bacurau, instituído em 2019 por sua gestão para homenagear e reconhecer pessoas, instituições e iniciativas dedicadas às mais variadas ações em defesa da vida e da igualdade entre todos.

Prêmio faz reconhecimento de pessoas, instituições e iniciativas dedicadas às mais variadas ações em defesa da vida e da igualdade entre todos (Foto: Ascom PMRB)

O evento foi realizado na noite desta quinta-feira, 10, no auditório da Uninorte e por causa da pandemia teve o acesso restrito aos homenageados e alguns familiares.

A pedagoga Mariazinha Leitão, defensora dos direitos dos idosos e pessoas que sofrem com a doença de alzheimer; o líder ativista dos direitos da população LGBTQ+, Germano Marino; o procurador de Justiça, Sammy Barbosa que atua na defesa da cidadania e no combate ao crime organizado; o advogado e militante da igualdade racial, Ogan Arimatéia – este último de forma póstuma – foram os homenageados desta edição.

Homenageados da segunda edição do Prêmio Bacurau (Foto: Ascom PMRB)

Pelas mãos da prefeita Socorro Neri, eles receberam o troféu que leva o nome de Francisco Augusto Vieira Nunes, mais conhecido como Bacurau e um dos fundadores do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan).

Mariazinha Leitão foi representada na solenidade por seu neto, Gabriel Leitão. “É uma alegria imensurável estar recebendo esse prêmio dessa gestão em nome da minha avó que tem toda uma vida dedicada ao envelhecimento e à causa do idoso. Eu sou muito suspeito pra falar da minha avó que foi e é a bússola da minha vida”, disse.

Em uma fala marcada pela emoção, Germano Marino afirmou o quanto era significativo o reconhecimento do Município de Rio Branco por 20 anos dedicados à comunidade LGBTQ+ e sobretudo que a honraria fosse entregue pela prefeita Socorro Neri. “Eu vou te falar uma coisa, prefeita Socorro Neri, como eu acho que a gente sempre tem que apontar para o futuro, não teria outra condição se eu não fosse agora homenageado, porque eu não sei nas gestões futuras se as pessoas vão reconhecer e dar visibilidade para os defensores dos direitos humanos. Nós da militância LGBT vencemos o malfadado estatuto da família com a ajuda da senhora, uma gestora sensível e comprometida com os direitos fundamentais e iguais para todos”.

Por estar em viagem, o procurador Sammy Barbosa foi representado pela procuradora Patrícia Rêgo. “Ele me pediu que eu dissesse para a senhora, prefeita, que se sente muito honrado e feliz pela homenagem, mas que não recebe esse homenagem pessoalmente, mas que recebe essa homenagem para o Ministério Público do Estado do Acre e pediu que eu fizesse aqui essa fala”, disse Rêgo.

Fátima Arimatéia, viúva de Ogan Arimatéia, recebeu a premiação em nome dos quatro filhos e dos familiares. “O Arimatéia sempre agradeceu por cada dia e por cada luta que ele pôde lutar, e ele deixou muitos exemplos pra mim e para os nossos filhos. Estamos nas trincheiras e continuaremos lutando, muito obrigada”.

A prefeita Socorro Neri destacou que poder reconhecer, em tempos tão estranhos, aqueles que se colocaram do lado certo da história e que tem dedicado suas vidas na construção de um mundo melhor é uma das grandes homenagens que ela também recebe ao poder fazê-la na condição de gestora da capital acreana.

“Esse é o segundo ano do prêmio, e mesmo com a dificuldade da pandemia nós não poderíamos deixar de realizá-lo porque isso também é resistência. Ele serve para nos animar nessa luta que tem que ser reinventada, reconstruída, mas jamais abandonada”, finalizou. (Assessoria de Comunicação Prefeitura de Rio Branco)

Assuntos desta notícia