Colunista social que passou quase 30 dias no Into detalha que tratamento para a Covid é sofrido

O sistema de Saúde acreano atingiu níveis críticos, com lotação de 100% dos leitos de UTI desde domingo. Mesmo com o início da vacinação, a conjuntura atual é uma das mais preocupantes da pandemia.

O colunista social e servidor público, Vagno di Paula, 52 anos, passou quase 30 dias internado no Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC). Ele detalhou ao site de A GAZETA um pouco sobre o que passou em seu tratamento, lutando contra a Covid.

Vagno na saída do Into (Foto: Acervo Pessoal)

“Sou um sobrevivente. Fiquei quase um mês internado no Into. Quase fui entubado. Eu digo que fui um milagre de Deus”.

Vagno afirma que, mesmo após meses da sua alta hospitalar, ficou com sequelas da doença e segue fazendo fisioterapia no CER, próximo ao Into-AC. Ele detalha que o tratamento contra a Covid não é fácil como a maioria das pessoas pensam, e deixa o alerta para que todos se cuidem para evitar o contágio.

“O tratamento é dolorido. Eu via muita gente morrendo. A estrutura do Estado é muito boa. Eu fui muito bem acolhido. Ainda assim, lá no Into eu via muita gente sofrendo. Por isso, eu quero deixar um aviso: previnam-se. Usem máscaras, álcool em gel. Não façam aglomerações. O vírus existe. É invisível, e mata. Quando vejo as pessoas em festa, se aglomerando, sem máscaras, sem proteção nenhuma, me entristece muito. Estamos perdendo nossos entes queridos. Nossas famílias estão sofrendo”.

Assuntos desta notícia