Pular para o conteúdo
Beth Passos
Beth Passos é comunicadora, produtora, assessora de imprensa e empresária. Email: [email protected]

Presidente do Haiti foi assassinado

O premiê interino disse que ‘um grupo de indivíduos não identificados, alguns dos quais falavam em espanhol, atacou a residência privada do presidente’ e ‘feriu mortalmente o chefe de Estado’.

O líder haitiano foi morto meses após declarar haver um plano de golpe em andamento no país. A primeira-dama, Martine Moïse, foi baleada e está internada. O primeiro-ministro declarou estado de sítio no Haiti.

Em 2021, Haiti, o país mais pobre das Américas, enfrenta onda de violência, alta de infecções de Covid-19 e disputa política com assassinato de presidente, mas talvez o maior foco de tensão era a forma como ele governava o país. Em janeiro de 2020, Moïse dissolveu o Parlamento e comandava o Haiti por decreto desde então.

Na prática, no Haiti, todas as eleições, sem exceção, desde o fim do regime de Duvalier, criaram graves crises sociais, de modo que, na medida em que as disputas são resolvidas, se realizam segundos turnos ou se repetem as eleições, a data que a Constituição estabelece já passou.

Deu vontade de ouvir uma música especifica desde ontem, cantar, pensar…

HAITI

Quando você for convidado Pra subir no adro da Fundação Casa de Jorge Amado Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos Dando porrada na nuca de malandros pretos De ladrões mulatos E outros quase brancos Tratados como pretos Só pra mostrar aos outros quase pretos.

E são quase todos pretos. Como é que pretos, pobres e mulatos. E quase brancos, quase pretos de tão pobres são tratados E não importa se olhos do mundo inteiro possam Estar por um momento voltados para o largo Onde os escravos eram castigados E hoje um batuque, um batuque Com a pureza de meninos uniformizados De escola secundária em dia de parada E a grandeza épica de um povo em formação Nos atrai, nos deslumbra e estimula.

Não importa nada. Nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico Nem o disco de Paul Simon Ninguém é cidadão. Se você for ver a festa do Pelô’ E se você não for Pense no Haiti Reze pelo Haiti O Haiti é aqui O Haiti não é aqui E na TV se você vir um deputado em pânico Mal dissimulado Diante de qualquer, mas qualquer mesmo.

Qualquer, qualquer Plano de educação Que pareça fácil Que pareça fácil e rápido E vá representar uma ameaça de democratização Do ensino de primeiro grau E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto. E nenhum no marginal E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual Notar um homem mijando na esquina da rua Sobre um saco brilhante de lixo do Leblon.

E ao ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da chacina Cento e onze presos indefesos, mas presos são quase todos pretos Ou quase pretos Ou quase brancos, quase pretos de tão pobres. E pobres são como podres E todos sabem como se tratam os pretos E quando você for dar uma volta no Caribe. E quando for trepar sem camisinha E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba Pense no Haiti Reze pelo Haiti O Haiti é aqui O Haiti não é aqui.

Beth Passos

Jornalista