Pular para o conteúdo
Na Resex Chico Mendes

Vereador é preso por caça ilegal em reserva extrativista de Rio Branco

Vereador nega crime e afirma que estava visitando um morador na reserva; Ele pagou uma fiança de R$2.200,0 e foi liberado

O vereador Joaquim Florêncio (PDT), de Rio Branco, foi detido em flagrante, no último domingo, 29, por caça ilegal dentro da Resex Chico Mendes, na área de Rio Branco, no ramal da União, que passa pela fazenda Talismã. Ele pagou uma fiança de R$2.200 e liberado no mesmo dia. Um inquérito foi enviado para a Justiça Federal. Em nota, o vereador afirma que não participou de qualquer prática ilícita.

Vereador eleito pelo PDT teria pago fiança e sido liberado no mesmo dia.

Além do vereador, a Polícia Federal autuou mais três pessoas pelo mesmo crime e por porte ilegal de arma de fogo. Teriam sido apreendidos 62 quilos de carne de caça (tatu, queixada e porco do moto).

Em nota, o Joaquim Florêncio confirma que chegou a ser detido pela polícia e levado à delegacia, mas explica que estava na reserva para visitar um idoso, morador do local, que teria ficado em sua casa quando estava realizando tratamento de saúde em Rio Branco.

“As pessoas que acompanham meu trabalho sabem que essa é uma rotina em minha vida. Reafirmo que, durante toda a minha trajetória, sempre me pautei pela lisura e pela licitude de meus atos, e isso tem sido uma constante em minha atuação parlamentar. Agradeço a todos que, de alguma forma, demonstraram solidariedade nesse momento. O processo seguirá seu trâmite normal e tenho certeza de que será feita justiça”, consta a nota.

Por ser próxima da área urbana, a região acaba sendo alvo frequente para a realização de tais crimes. Há dez dias, outras duas pessoas foram apreendidas por caçada ilegal na mesma região, que costuma ser um local procurado por outros caçadores.

Veja a nota na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Conforme noticiado nos meios de comunicação, neste domingo (29), fui abordado por agentes de um órgão ambiental dentro de um veículo em uma reserva florestal, enquanto me dirigia para minha residência em Rio Branco, tendo sido conduzido a uma unidade policial sob a acusação de prática de caçada ilegal.

Ao contrário do divulgado inicialmente, conforme ficou esclarecido nos depoimentos prestados à autoridade policial, não possuo e não portava arma de fogo, e também não participei de qualquer prática ilícita. O motivo de minha visita à reserva foi o acompanhamento de um idoso, morador do local, que estava realizando tratamento de saúde em Rio Branco e havia ficado hospedado em minha casa. As pessoas que acompanham meu trabalho sabem que essa é uma rotina em minha vida.

Reafirmo que, durante toda a minha trajetória, sempre me pautei pela lisura e pela licitude de meus atos, e isso tem sido uma constante em minha atuação parlamentar. Agradeço a todos que, de alguma forma, demonstraram solidariedade nesse momento. O processo seguirá seu trâmite normal e tenho certeza de que será feita justiça.

Forte abraço a todos. Seu bem estar é nossa prioridade!

Vereador Joaquim Florêncio

Veja também: Secretário de Meio Ambiente do Acre se reúne com ministro para tratar sobre estratégias de combate a queimadas