EDITORIAL – Jornal A Gazeta
  • Com o dedo na ferida

    Essa derrota “histórica”, “acachapante” da derrubada dos vetos do governador pela maioria absoluta dos deputados serviu também para expor a fragilidade do atual Governo em outras questões fundamentais.   Leia mais

  • Até que enfim

    Com um atraso de cinco meses e depois de o presidente da República e seus ministros  proferirem um dicionário de asneiras, expondo o país à execração pública nacional e internacional, enfim, o Governo Federal está liberando recursos para a prevenção e combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia.   Leia mais

  • Mais um rastro de sangue

    Convém repetir, mais uma vez, que esses relatórios sobre a diminuição da violência no país, como se divulgou na semana, podem até ser verdadeiros, mas os números estão longe ainda de refletir a sensação de segurança junto à sociedade e a obrigação que as autoridades maiores do país e dos estados deveriam cumprir.   Leia mais

  • Mas, a insegurança permanece

    Números são números e pode-se até admitir que houve uma redução da violência e da criminalidade no Acre e em outros estados da região Norte em 2018, segundo os dados divulgados pela 13º  Fórum Brasileiro de Segurança Pública.   Leia mais

  • A greve acabou, mas nada resolvido

    Com a decisão da Justiça e a abertura do diálogo entre representantes do Governo e lideranças dos trabalhadores, cessou a greve no setor da Saúde, mas os problemas permanecem e só deverão ser resolvidos com a chegada do governador Gladson Cameli na próxima semana.   Leia mais

  • Que prevaleça o bom senso

    Exageros à parte, o que passou, passou, espera-se o mais breve possível que prevaleçam a responsabilidade e o bom senso para cessar essa greve no setor da Saúde Pública, levando-se em conta que a população não pode ficar sem os atendimentos básicos “por tempo indeterminado”.   Leia mais

  • Por “tempo indeterminado”

    O que se previa e se temia acabou acontecendo: o prédio da Secretaria de Saúde amanheceu ontem ocupado por servidores do setor, que decretaram greve por tempo indeterminado, depois das negociações frustradas com representantes do Governo.   Leia mais

  • A “cabeça” continua enterrada

    O governador Gladson Cameli prometeu que ontem se reuniria com os dirigentes do Sindicato dos Servidores da Saúde, que haviam anunciado uma greve geral a partir de hoje, mas como o governador viajou para a Alemanha, é de se esperar que as reivindicações tenham sido atendidas e o movimento cancelado.   Leia mais

  • Decididamente, nada a comemorar

    Os brasileiros pouco ou nada têm a comemorar neste Dia da Independência, cujo presidente da República já deu provas de insanidade mental ao incitar o ódio, fazendo “arminha” e ao atacar minorias com sua homofobia, misoginia e outras categorias sociais como os índios, quilombolas e, o mais grave, defender explicita e criminosamente notórios torturadores da …   Leia mais

  • Nada a comemorar, só a reagir

    Nada a comemorar no Dia da Amazônia, só a protestar e, sobretudo, reagir contra a política ambiental que o atual Governo Federal, presidido por um insano, quer impor à região, cujos resultados com a derrubada da floresta e as queimadas chamaram a atenção das nações civilizadas e as consequências da fumaça se pode aferir com …   Leia mais