Líder do governo garante que não perde mandato mesmo com anulação dos votos do ex-secretário Nil Figueiredo – Jornal A Gazeta

Líder do governo garante que não perde mandato mesmo com anulação dos votos do ex-secretário Nil Figueiredo

“Eu não vejo nenhum problema, mas quem vai dizer isso é a própria Justiça Eleitoral”. A afirmação é do deputado Daniel Zen (PT) ao comentar sobre os rumores de que poderia perder o mandato na próxima legislatura caso os votos do candidato a deputado estadual derrotado, Nil Figueiredo (PT), forem realmente anulados pela Justiça Eleitoral. O petista foi reeleito com 6.616 votos, 1,56% dos válidos.

A possível recontagem dos votos foi suscitada após a prisão do ex-secretário. Nil, que obteve 2.161 votos, o que equivale a 0,51% dos válidos, está sendo acusado de compra de votos e uso da máquina pública na campanha eleitoral deste ano.

Quando questionado pela imprensa local, Zen demonstrou tranquilidade e pontuou sobre a impossibilidade da perda de mandato acontecer. “Totalmente furada. Quem aventou ela tinha que ter conferido os cálculos. Existe uma fórmula pra fazer isso. Essa fórmula é pública e está no site do TSE. Qualquer pessoa pode ir lá no link e conferir os cálculos”, disse.

Oposição de olho

Os partidos da oposição aguardam a determinação da Justiça Eleitoral quanto à possível anulação ou não dos votos para iniciarem a contabilidade. Mesmo Daniel Zen tendo afirmado que não existe a chance de perder o mandato, os oposicionistas estão confiantes em uma reviravolta.

“Sabemos que ainda é cedo para afirmar se a Justiça Eleitoral vai anular ou não os votos do Nil. E, se confirmado, aí sim vamos fazer essas contas direitinho”, garante o dirigente partidário do partido Progressista, Lívio Veras.

Na linha de espera para assumir no lugar de Daniel Zen, dentro da possibilidade, figuram os candidatos derrotados nas eleições, Elson Santiago (PTC), o qual obteve 3.167 votos totalizados (0,75%), e a deputada estadual Eliane Sinhasique, que tentou a reeleição pelo MDB, obtendo 4.909 (1,16%).

Assuntos desta notícia