Comitiva da Integração recebe adesões na rota para o Pacífico

NELSON LIANO JR. De Lima

Foram dois dias de viagem e mais de 1000 Km percorridos entre Cruzeiro do Sul e Lima, no Peru, passando por diversas províncias entre a selva, os Andes e a costa do Pacífico. No percurso, feito na maior parte de ônibus, a comitiva de políticos e empresários acreanos recebeu a adesão de três governadores peruanos dos estados de Ucayalli, Huanuco e Ancash. O objetivo é sensibilizar os presidentes Alan Garcia e Luiz Inácio Lula da Silva, para desburocratizar as relações comerciais entre os dois países e reivindicar a construção de uma estrada ligando Cruzeiro a Pucallpa. Os dois chefes de Estado, brasileiro e peruano, se encontram, hoje, para assinar uma série de acordos de cooperação técnica nas áreas empresariais e sociais.  

Na chegada à capital peruana a embaixada brasileira recebeu, ontem, a delegação acreana. Jorge Taunay Filho, embaixador do Brasil, se disse entusiasmado em ver um grupo tão representativo na sede diplomática brasileira em Lima. “Isso é um sinal verdadeiro de integração que ocorre através da união social, mas principalmente porque existe um espírito integracionista. Do presidente da República ao guarda de fronteira é preciso que haja esse espírito. Hoje senti que o processo está avançando”, afirmou.

O diplomata brasileiro ressaltou ainda a importância dos investimentos na infra-estrutura das áreas fronteiriças. “Acho que a integração física terá um forte empurrão quando estiver inaugurada a estrada Interoceâ-nica. Mas os nosso espíritos já estão integrados. Existe uma grande demanda pelos produtos peruanos no Acre e vice-versa”, disse ele. Taunay destacou também a importância da visita presidencial. “Serão assinados quatro acordos de políticas fronteiriças como a criação de uma zona de integração. A maioria deles foram negociados, em Rio Branco, quando da visita de Alan Garcia, em abril. Quase todos os compromissos de Rio Branco já foram firmados o que significa um resultado exemplar. Os presidentes, naquela ocasião, estabeleceram metas que foram cumpridas. A vinda do presidente Lula a Lima, hoje, terá a função de retribuir a visita de Alan Garcia ao Acre”, garantiu.

Em relação a construção de uma nova estrada, o diplomata, se mostrou favorável e garantiu que a proposta de integração do Juruá com o Peru através de Pucallpa merecerá uma atenção especial do presidente Lula. “Isso poderá ser prioritário para os dois presidentes. Nós respaldamos a necessidade da integração, mas se vai ser por estrada ou por outros meios isso será dito pelos técnicos. Agora a necessidade comercial já existe e a vontade política também”, concluiu.

Estrada Juruá-Ucayalli: a nova bandeira da integração

O presidente da Aleac, deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB), era um dos mais entusiasmados com a importância política que tem se dado ao tema da integração com o Peru.  “Os tratados que o presidente Lula estará assinado com Alan Garcia é para construir as comunidades fronteiriças priorizando essas relações. Mas o passo mais importante que estamos dando nessa viagem, além de concretizar a nossa ligação aérea, é colocar a bandeira da integração física através de estradas e estabelecer essa aliança com Ancash, Huanuco e Ucayalli colocando o Acre como o caminho mais próximo do Pacífico via Cruzeiro do Sul. É uma bandeira que está se resgatando hoje para dar passos sólidos a partir de 2011 quando a BR-364 estiver concluída e o trecho entre Pucallpa e Lima recuperado. São dois povos que tem cultura e identidade e muito a comercia-lizar entre si”, ressaltou.

Para Magalhães os presidentes peruano e brasileiro deverão ficar sensibilizados pela demanda provocada pelos movimentos integracionistas. “É a primeira vez que uma delegação acreana percorre o trecho Pucallpa-Lima com 820 Km. Esse caminho existiu sempre e nunca ninguém o havia percorrido para dizer que é o mais curto e viável para chegar do Acre ao Pacífico. Esse foi o gesto mais importante da nossa comitiva. Nós queremos dizer ao presidente Lula que se ele que foi capaz de, em apenas dois anos, fazer o investimento, através do PAC, de um bilhão de reais na BR-364 será também capaz de incentivar o investimento de R$ 250 milhões para ligar Cruzeiro a Pucallpa. Queremos dizer ao presidente que precisamos fortalecer a aliança que estamos construindo com os nossos vizinhos peruanos para que a gente possa ter outro caminho de chegada ao Pacífico que não seja o de Assis Brasil”, salientou.

O vice-governador, César Messias (PP), também ressaltou a importância da estrada para união dos peruanos e brasileiros. “Sempre disse que o principal para o Governo do Estado é chegar com a estrada de Rio Branco a Cruzeiro do Sul com construção de todas as suas pontes. Mas nada é impossível. Como temos todas as nossas obras licitadas, o dinheiro existe e superamos os problemas ambientais nada impede de fazermos o pedido ao presidente Lula de que se faça o estudo ambiental e a viabilidade econômica de se construir a estrada que é um sonho do povo do Juruá. Nas nossas vindas ao Peru temos sentido que o nosso sonho não é maior do que o sonho desse povo. Tenho certeza que o encontro, em Lima, do presidente Lula e Alan Garcia será o momento adequado para sentarmos e discutirmos essa integração terrestre do Acre com o Peru via Cruzeiro do Sul”, explicou.

Encontro Empresarial
Paralelamente está acontecendo um grande encontro de empresários peruanos e brasileiros, em Lima. Delegações de vários estados brasileiros e províncias peruanas discutem a política internacional de importação e exportação entre os dois países. George Pinheiro, como representante dos empresários acreanos, explicou a importância do Encontro. “Vamos apresentar uma proposta do que o Acre quer importar do Peru e vamos mostrar as oportunidades de negócios que podemos oferecer aos empresários peruanos. Esse é o maior encontro de empresários da história entre Brasil e Peru para concretizar os acordos de comércio. Temos uma grande delegação de São Paulo comandada pelo presidente da Fiesp e representantes de empresários de quase todo o Brasil. Vamos informar aos peruanos que queremos comprar cimento, ferro, vidro, além de frutas, legumes e verduras que todos nós sabemos que custa mais barato se levados do Peru do que vindas do Sul brasileiro tanto para os consumidores de Cruzeiro do Sul quanto de Rio Branco”, explicou.

O evento empresarial, focado em importação e exportação, terá, hoje, o ponto máximo com palestras dos presidentes Alan Garcia e Lula  aos empresários dos dois países.         

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation