Missa e procissão encerram festejo de São Sebastião em Xapuri

xapuri 

A fé na renovação, adoração e agradecimento, reuniu em Xapuri, no Dia de São Sebastião, mais de 15 mil pessoas para participar da procissão de encerramento do festejo. A manifestação religiosa é a maior da cidade e uma das mais importantes do Estado, e a cada ano atrai mais romeiros, em um momento único de agradecimento pelas graças alcançadas e para pedir por bênçãos.

A dona de casa Maria do Socorro mora na Estrada Transacreana com o filho José Renato Farias. Ela conta que após sucessivas crises asmáticas do filho, fez uma promessa para São Sebastião em nome da saúde de José. Os dois chegaram a Xapuri logo no início da programação para participar das novenas e da procissão. “Viemos para agradecer, toda a família é devota de São Sebastião e temos alcançado muitas graças”, disse a mãe. José completou dizendo que iria presentear o santo com a fita vermelha. “Tenho fé que vou ser curado”.

As manifestações de fé e penitência puderam ser acompanhadas durante todo o cortejo que percorreu as principais de Xapuri. Neste ano as festividades alusivas a São Sebastião em Xapuri completam 108 anos de tradição, e a cada ano a igreja Católica reúne mais pessoas que rezam e cantam em sinal de devoção.

Para a aposentada Audeli Chalub, São Sebastião representa a esperança. Segundo ela, o pedido feito ao santo foi atendido. “Devido a uma enfermidade, pedi a São Sebastião que me ajudasse. E graças a Deus e com fé no santo já estou recuperada, não podia nem andar”.

O prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos, participou da missa solene e seguiu em procissão com os fieis. Os jovens, a saúde dos romeiros, os produtores rurais e seringueiros foram lembrados nas orações. “Temos que agradecer a igreja Católica por manter viva a tradição de acolher as pessoas. Estamos em Xapuri em uma fase de reconstrução, e o sucesso do 20 de Janeiro também mostra este processo”, disse o prefeito.

Tradição que se renova a cada ano

São Sebastião nasceu na França, no final do século III, desde a infância sempre se mostrou forte e piedoso. Ao se tornar militar, a figura imponente, a prudência e a bravura de Sebastião chamaram a atenção do imperador que o nomeou comandante da guarda pessoal. Ao ser informado que Sebastião defendia o cristianismo, o imperador ordenou sua morte, porém mesmo depois de ser flechado e amarrado a um tronco, Sebastião sobreviveu e deu sequência ao processo de evangelização. Tempos depois o imperador ordenou novamente a morte de Sebastião.

São Sebastião se tornou santo depois que as cidades de Milão e Lisboa foram acometidas por pestes endêmicas, e as pessoas se viram livres destes males, após atos públicos de suplica a Sebastião.

Em Xapuri a devoção teve origem no dia 20 de janeiro de 1902, sete meses antes do início da Revolução Acreana, em 6 de agosto do mesmo ano. Um grupo de cerca de 100 fiéis saiu às ruas da cidade em devoção ao santo padroeiro das guerras, dando origem a uma das festas religiosas mais importantes do Estado do Acre.

Comerciantes comemoram os resultados do festejo de São Sebastião

Uma grande tenda dividida em 160 boxes. Esta foi a estrutura montada pela prefeitura em parceria com o Governo do Estado para abrigar os marreteiros que ofereceram aos romeiros, turistas e moradores de Xapuri, desde utensílios domésticos a itens de vestuário.

De acordo com o vendedor Adriano da Silva, a meta estabelecida está sendo atingida. “Estamos satisfeito com os resultados. Nosso objetivo era vender R$ 4 mil, e vamos conseguir”.

Já para o comerciante Frederico Pereira a participação em um evento como a Festa de São Sebastião representa também um momento de conhecer as pessoas e fazer contatos para posteriores vendas. “Estou montando um comércio em Xapuri e durante estes dias estou aproveitando para mostrar meu trabalho e cativar clientes”. (Agência de Notícias do Acre)

xapuri_2 xapuri_3

Assuntos desta notícia

Join the Conversation