Pular para o conteúdo

Sem patrocínio, Náuas ameaça sair do Estadual

Oficialmente o próprio presidente do Náuas EC, Josué Marques, garantiu ao presidente da Federação de Futebol do Acre (FFAC), Antônio Aquino, durante telefonema, que não iria sair do Campeonato Estadual Acreano. Porém, nos bastidores, a realidade é bem diferente e sem patrocínio a tendência é que o representante do Juruá acabe desistindo da competição.

Uma pessoa próxima da diretoria, garantiu que de apoio concreto apenas o prefeito Vagner Sales, a Juruá Motor Center e o Guaraná Cruzeiro estão realmente garantindo a “breve existência” do clube na preparação. Um grupo de simpatizantes do clube é que garantiram a alimentação dos atletas, pelo menos até o meio da próxima semana.

A folha salarial do clube é de R$ 37 mil/mês, totalizando mais de R$ 110 mil apenas para os funcionários em três meses de competição, enquanto a parcela que o Governo propôs foi de apenas R$ 20 mil para quem não ficar entre os quatro primeiros e de R$ 50 mil para quem se classificar para as semifinais. O título significa apenas R$ 80 mil.

“A ajuda do prefeito Vagner é nos uniformes (R$ 7 mil), mas não é tudo, e as outras prefeituras do Juruá não colaboram, diferente do Alto Acre que recebe apoio das cinco prefeituras da regional”, lamenta o colaborador do clube. Segundo ele, a direção do clube vai tentar falar novamente com o empresário Orleir Cameli, aumentar o valor do apoio com o prefeito, tentar outras prefeituras, inclusive Mâncio Lima. “O deputado Edvaldo Magalhães está intermediando um encontro com empresário de duas empresas para tentar algum patrocínio”, disse.

A explicação para desistir, no caso de não conseguir apoio, é que o clube ficou com uma “herança de dívidas” contraídas na última edição do Estadual Acreano. “Se pararmos agora o valor da dívida seria em torno de R$ 10 mil a R$ 15 mil, se fossemos até o final da competição esse valor aumentaria consideravelmente, mesmo com o título”, lamentou.

FFAC – O presidente da Federação de Futebol do Acre, Antônio Aquino, explicou que no caso da desistência do Náuas, todos os seus adversários ganhariam os pontos. Sobre as punições somente um julgamento poderia definir quais seriam. O dirigente não adiantou quais, mas o mais provável é que o clube ficasse afastado por um período das competições da entidade, além de uma multa a ser estabelecida o valor.

Cruzeirão – O secretário de Educação de Cruzeiro do Sul, Ivo Galvão, está tentando intermediar uma solução para que as reformas necessárias para jogos no estádio O Cruzeirão possam ser realizados. O mais provável é que o valor das reformas poderiam sair das publicidades ao redor do campo, além da parcela de 15% referente a realização dos jogos no estádio. A definição deverá sair até o início da próxima semana.

O certo é que independente disso, o prazo estabelecido para entregar os laudos técnico para a Federação de Futebol é até o dia 1º de março. “Essa data está incluso também as reformas”, avisou Antônio Aquino.