Pular para o conteúdo

Secretaria de Segurança define planejamento para a Ceasa

O prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim, apresentou a proposta de gestão técnica e operacional da Central de Abastecimento de Rio Branco (Ceasa) para a cúpula da Segurança Pública do Estado. O encontro que reuniu a equipe da prefeitura que está à frente do desenvolvimento do projeto, a secretária de Segurança, Márcia Regina, e os comandos das Polícias Militar, Civil e Corpo de Bombeiros, tem como objetivo o estabelecimento de parceria e trabalho integrado na área de segurança da Central de Abastecimento.

prefeitura_policia

“Convidamos os responsáveis pela segurança pública em Rio Branco para fazermos uma apresentação minuciosa do projeto Ceasa. Teremos neste espaço grande circulação de dinheiro e precisamos da parceria das polícias”, completou Angelim.

A Central de Abastecimento começa a operar em caráter experimental a partir da próxima segunda-feira, 1° de março. Serão 30 boxes e 130 espaços para produtores (chamados de pedra), a expectativa da prefeitura é de que 39 empresas sejam instaladas no espaço, e também seis cooperativas. O investimento de R$ 8 milhões em 11 hectares irá garantir o envolvimento de mil produtores rurais, além de empregar diretamente 150 pessoas.

De acordo com o secretário municipal de Agricultura, Jorge Fadel, as atividades de atacado realizadas no entorno do Mercado Elias Mansour serão encerradas a partir do dia 28 de fevereiro. Neste primeiro momento a prefeitura disponibilizar caminhões para o transporte dos produtos dos pequenos produtores para a Central de Abastecimento.

A secretária de Segurança Márcia Regina destacou a importância da apresentação do sistema operacional da Ceasa para a definição das ações inerentes à segurança pública. Foram apresentados aspectos importantes para a composição do planejamento estratégico de atuação das polícias, como o horário de funcionamento e dados sobre a movimentação financeira. “A Central vai contar com uma segurança própria, mas é importante que a segurança pública estabeleça um sistema de prevenção”. A secretária afirmou ainda que já existe uma atuação específica para a região, mas que a nova dinâmica provoca novos planejamentos”. (Agência de Notícias do Acre)