Mesquita Júnior diz que a política não pode virar ‘empreendimento econômico’

Em discurso nesta segunda-feira (15), o senador Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC) lembrou o aniversário de 25 anos da posse de José Sarney como presidente da República, fato que simbolizou o fim dos 21 anos da ditadura militar e o início da redemocratização. Embora reconhecendo as conquistas do país nessas duas décadas e meia, observou que a democracia brasileira “ainda claudica”, pois o “conluio entre os poderes executivos e o poder econômico” faz com que o Brasil fique cada vez mais longe “dos padrões de democracia a que o povo brasileiro aspira”.

– Não permitamos que a política se transforme num empreendimento econômico no nosso país. Isso será cruel e fatal para essa democracia, que claudica e que a gente está tentando fazer com que se fortaleça e se firme no nosso país – pediu.

Geraldo Mesquita Júnior declarou que o Poder Legislativo brasileiro contribuiu significativamente para a construção e consolidação do estado democrático de direito no Brasil, mesmo nos momentos nos quais ficou enfraquecido ou impedido de funcionar, como no chamado Estado Novo e na ditadura militar iniciada em 64.

Na avaliação do senador, o Brasil avançou bastante nos 188 anos desde a Independência como, por exemplo, no aperfeiçoamento do sistema eleitoral e partidário. Mas, ponderou e lamentou o senador, a influência do poder econômico ainda é danosa ao país.

– O que não temos é o fim da influência da parceria dos poderes executivos e do poder econômico nas eleições, em que o uso e o abuso da máquina pública e a interferência do poder econômico, financiador de pleitos, de partidos e de candidatos, com propósitos inconfessáveis tornaram-se rotineiros. O resultado é que as eleições perderam o sentido de mobilização cívica da população para se transformar num poderoso e maciço empreendimento econômico, dos mais ilegítimos e indecorosos que se tem notícia, a cada pleito – afirmou Mesquita Júnior.

Em apartes, os senadores Paulo Paim (PT-RS) e Marisa Serrano (PSDB-MS) elogiaram o pronunciamento do colega. Marisa Serrano disse que o discurso de Mesquita Júnior reflete a necessidade de uma reforma política no Brasil.

– Há tanto tempo falamos que é necessária uma reforma política, que possa reorganizar o sistema partidário no país, que a população nem acredita mais que isso possa acontecer – disse a senadora. (Agência Senado)

 

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation