Perita do caso Isabella Nardoni pode vir ao Acre

A perita que chefiou os trabalhos técnicos do caso Isa-bella Nardoni, Rosângela Monteiro, pode vir ao Acre ministrar palestra sobre o uso do Luminol na cena de um crime. Com mais de 20 anos de experiência no Instituto de Criminalística de São Paulo (SP), a participação dela foi fundamental para a condenação do casal Alexandre Nardoni e Anna Jatobá. 
Perita-monteiro
O diretor-geral da Polícia Técnica da Secretaria de Segurança Pública, Jésselio Advincola Medeiros, acredita que a experiência dela pode servir de incentivo para os profissionais do Acre, onde a perícia começa a entrar numa nova fase, diante as mudanças que estão sendo implementadas pelo governo.

Rosângela foi arrolada como testemunha tanto pela defesa quanto pela acusação. Ela disse que a menina foi ferida antes de entrar no apartamento do casal Nardoni e que já entrou sangrando. A perita afirmou ainda que o sangue encontrado no apartamento era da menina morta.

Também foi a partir do trabalho realizado por ela que o Ministério Público conseguiu sustentar a tese de que foi Nardoni quem atirou a filha pela janela. Isso só foi possível graças às marcas da rede de proteção encontradas na camiseta dele.

“Já falei com ela e ela virá com certeza, tudo vai depender da disponibilidade da agenda dela que acabou ficando mais cheia depois do julgamento”, observa Advincola. Segundo ele, a vinda de Rosângela está inserida no projeto de reestruturação do Departamento de Perícia Técnico Científica do Estado.

A proposta de Jésselio é trazer Rosângela para fazer uma exposição sobre o uso do Luminol – produto químico especial capaz de fazer aparecer os traços sanguíneos invisíveis ao olho humano. É considerado um grande aliado dos investigadores para revelar as cenas ocultas de um crime. No Acre, ele já está sendo utilizado, mas por enquanto de forma moderada.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation