Entrada do Terminal Urbano é liberada durante protesto

A entrada do Terminal Urbano de Rio Branco foi liberada ontem, 28. Estudantes e populares aproveitaram o boicote promovido pelos trabalhadores do transporte coletivo contra os empresários do setor para entrar no local sem pagar a tarifa. A promessa é que as catracas também sejam liberadas, caso um acordo não seja definido.
Grevista-terminal
Afetando diretamente no bolso dos patrões, os manifestantes esperam forçá-los a uma negociação. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo e Cargas (Sinttpac), Celina Costa, disse que não partiu do sindicato a ordem de boicote.

Os protestos que vinham sendo realizados diariamente na entrada do Terminal ganharam força a partir da entrada dos estudantes universitários no movimento, sobretudo da Universidade Federal do Acre (Ufac), que diariamente fazem piquete nas imediações.

Os trabalhadores também contam com o apoio da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB). Liderados pelo presidente Marcelo Jucá, vários integrantes da central marcam presença diária no Terminal. A idéia é mobilizar também a população, que no final das contas é a maior prejudicada.

A greve dos motoristas e cobradores de ônibus já dura cinco dias. Nesse período, eles já estiveram reunidos no Ministério Público do Trabalho (MTB), em busca de uma solução pacífica com os patrões, e ontem mais uma vez foram ouvidos pela Procuradoria do Trabalho, mas até agora nenhum acordo foi firmado.

Em virtude da paralisação, a frota de ônibus da Capital está operando com apenas 40% da sua capacidade. Estima-se que mais de 100 mil usuários já tenham sido prejudicados, com mais de 240 mil viagens que deixaram de ser efetuadas. A Empresa Floresta, que sozinha detém 77 veículos, é uma das mais afetadas, com prejuízo diá-rio superior a R$ 30 mil.

TRT obriga grevistas a aumentar frota durante greve
O Tribunal Regional do Trabalho (TRT 14ª), respondeu a ação de ilegalidade da greve dos motoristas e cobradores, proposta pelo Sindcol.

No despacho, assinado pela presidente do TRT, desembargadora federal Maria Cesarineide Lima, a Justiça Trabalhista obriga o Sindicato da categoria a aumentar o numero de ônibus circulando durante o período grevista.

Em sua decisão, a magistrada assim se pronunciou: “… entende-se como a possibilidade de êxito no julgamento do mérito da presente ação, o que se revela presente nesta ação, em decorrência dos fatos consignados no Termo de Audiência de fls 106/108, bem como pelos documentos cotejados aos autos”.

Desta forma, a Justiça Trabalhista deferiu em parte o pedido do sindicato patronal, determinando o aumento da frota em circulação de 60% para 70% no período de pico (6h às 8h, 11h30 às 14h, e das 18h às 20h). a magistrada estipulou ainda multa diária no valor de R$ 20 mil, a ser pago pelo sindicato da categoria, em caso de descumprimento da decisão judicial.

Esta liminar, ainda de acordo com o despacho da magistrada terá validade até o julgamento do mérito, previsto para a próxima semana. (Assessoria Sindicol)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation