Política ambiental e madeira certificada são duas prioridades para a Europa

Executivos de duas empresas do Reino Unido, a B & Q e Finnforest, que atuam na área dos negócios sustentáveis na Europa, estão em Rio Branco em busca do fortalecimento e do aumento de seus investimentos no Acre: eles querem saber se o Estado do qual obtém boa parte da matéria-prima para seus negócios na área de madeira continuará a ser governado pelo mesmo grupo político que chegou ao poder em 1999 e se as políticas públicas que vem sendo executadas, principalmente na área ambiental, terão continuidade.
Politica-ambiental
A preocupação dos empresários é objetiva: é que só com uma empresa do Acre, a Laminados Triunfo, instalada no Distrito Industrial de Rio Branco, eles negociam a media de US$ 25 milhões por ano e concluíram que, se o Estado continuar governado pela Frente Popular do Acre (FPA), as parcerias serão intensificadas e os negócios podem vir a ser triplicados no ano que vem. Outra razão da preocupação dos empresários europeus é que, no velho continente, há uma decisão da União Européia para que nenhuma empresa obtenha matéria-prima ou outros recursos naturais de áreas onde não hajam preocupações socioambientais.

Foi o que anunciaram os executivos Griftin Julia e Dave Hanratty, da B & Q, e Bernie Ryan e Bygraves David, da Finnforeste, ao se re reunirem com o senador Tião Viana, candidato da FPA ao Governo do Estado, na sede da empresa Laminados Triunfo, em Rio Branco. O encontro contou com a participação de técnicos da ONG ambientalista internacional WWF, Braga Estevão e Alberto Tavares Dande. O WWF apóia e incentiva, em nível internacional, empresas como a B&Q e a Finnforest. Esta última empresa tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável através de atividades empresariais, além do aperfeiçoamento contínuo de suas operações. “Ao agir de forma responsável, nós queremos ter certeza de que o nosso pessoal, clientes, parceiros e outras partes interessadas possam se sentir bem usando produtos de origem madeireira”, disse Bygraves David.

A Finnforest faz parte da Cooperativa Metsäliitto, formada por cerca de 130 mil finlandeses, entre proprietários e membros, que fornecem a maior parte da madeira utilizada pela empresa, extraída das florestas geladas da Finlândia. Other wood supply areas are Russia, the Baltic countries and Western Europe. Outras áreas de suprimento de madeira são a Rússia, países do Báltico e Europa Ocidental, além do Brasil, através do Acre. “Our wood comes from sustainably managed forests.

Nossa madeira é proveniente de florestas geridas de forma sustentável.It is procured legally and not from protected areas, such as ecologically valuable old-growth forests. É adquirida legalmente. Nós sabemos a origem de nossa matéria-prima e temos o apoio da certificação florestal realizada por um certificador independente”, afirmou o outro executivo da Finnforest, Bygraves David. O certificador é o FSC é atualmente  o selo verde mais reconhecido em todo o mundo, com presença em mais de 75 países e todos os continentes. Atualmente, os negócios com produtos certificados geram negócios da ordem de 5 bilhões de dólares por ano em todo o globo. FSC é uma sigla em inglês para a palavra Forest Stewardship Council, ou Conselho de Manejo Florestal, em português.

Já a B & Q é a maior rede de lojas do reino Unido e trabalha com o conceito “faça você mesmo”, através do qual incentiva seus clientes e consumidores a criarem seus próprios imóveis, a partir de idéias particulares, com a madeira manejada. A Laminados Triunfo, de acordo com o diretor Jandir Santim, tem contrato com as duas empresas para fornecer, de junho de 2010 a junho de 2011, 36 mil metros cúbicos de madeira. “Nós poderemos triplicar essa quantia porque a Europa toda está tomando o cuidado de só trabalhar com madeiras de áreas certificadas, como é o caso desta que sai do Acre através da nossa empresa”, disse Santin.

“Estamos falando de um negócio bilionário”
O consumo de madeira anual na Europa é algo como 7 milhões metros cúbicos/ano, dos quais a madeira que sai do Acre corresponde à apenas 5%. “Se nós chegarmos a 10 % – e há mercado para isso – estamos falando de um negócio bilionário”, disse o empresário.

A Laminados Triunfo está instalada no Acre desde 2003 e tem um faturamento anual na ordem de R$ 60 milhões, gerando 520 empregos diretos e está situada numa área de 180 mil metros quadrados. “Nós detemos a maior construção física do Acre, uma área de 23 mil metros quadrados cons-truídos”, disse Santine.

De acordo com o empresário, a vinda dos executivos europeus tem um significado muito forte. “Mostra que eles estão preocupados com o futuro de uma parceria que vem dando certo”, acrescentou. “A responsabilidade ambiental é a matriz ética do nosso projeto político e de Governo”, disse Tião Viana, assumindo o compromisso de que, se ganhar o Governo, o “Acre estará mais desenvolvido e ainda mais verde daqui há quatro anos”.

Tião Viana fez a declaração se comprometendo em dar continuidade ao projeto do governo atual de Florestas Plantadas, “além de intensificar o debate entre pecuaristas e ambientalistas sobre a importância econômica da floresta em pé”, disse. Ao lembrar de sua participação da conferência mundial sobre o clima, a “COP 15”, em Compenhague, em dezembro do ano passado, Tião Viana afirmou, ao lado do governador Binho Marques e do ex-governador Jorge Viana, que aquilo que ali estava sendo discutido, o Acre já faz há quase duas décadas. “Nós estamos bem à frente neste debate porque tivemos a ventura de, a partir dos ideais estabelecidos por Chico Mendes e Marina Silva, desenvolver conceitos bem à frente do nosso tempo. Hoje, quando a gente vê nas ruas um caminhão carregado de toras de madeira, já não sentimos frio na barriga. A gente sabe que aquela madeira foi extraída legalmente, de uma área manejada e pelas mãos de homens e mulheres conscientes de que é possível explorar os recursos naturais de forma responsável”, disse.

O coordenador do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável e Manejo Florestal Empresarial do WWW-Brasil, Estevão do Prado Braga, disse que, por conta de suas ações no passado, o Acre, que foi um dos primeiros estados a ser certificado com o sele verde FSC, deverá ser também o único do Brasil a obter o certificado Fertrcid. Enquanto o FSC é emitido para reconhecer estados e empresas que exploram recursos naturais de forma social, ambiental e econômica, o Fertrcid é uma certificação que reconhece serviços e empresas comercialmente justas. “Nós estamos muitos próximos. Se tivermos a sorte de ter o Tião Viana como governador dando continuidade a este projeto, nós também conquistaremos esta certificação e aí estaremos prontos para negociar nossos produtos com todos os países do velho mundo”, disse a presidente da Assimanejo (Associação de Empresas Manejadoras de Florestas do Estado do Acre), Fátima Adelaide. 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation