Tião lança programa que garante atendimento médico domiciliar

O governador Tião Viana institucionalizou uma ação de saúde que, na prática, já existia há algum tempo. Trata-se da Assistência Médica Domiciliar, que a partir de ontem, 3, passa a ser um programa de governo e uma política de saúde pública. O programa garante o atendimento médico domiciliar a pessoas que sofrem de doenças crônicas incapacitantes ou doenças degenerativas.
Saude0405
O objetivo é garantir um atendimento de qualidade para pacientes que dependiam de Unidades de Terapias Intensivas (UTI) para sobreviver. Ao todo, seis pacientes – dois adultos e quatro crianças – já recebem esse atendimento. Em suas residências foram montadas UTIs com todos os equipamentos necessários. Além disso, o governo garante a assistência médica com profissio-nais de diversas especialidades, entre eles fisioterapeutas, psicólogos, intensivistas, neurologistas, enfermeiros e outros. Também são disponibilizados veículos para transporte e todo o insumo necessário para o atendimento domiciliar.

O lançamento do programa não aconteceu em cerimônia formal. Deu-se a partir da visita do governador Tião Viana a um desses pacientes, o servidor público Paulo Carvalho Cardoso, 56, casado e pai de três filhas. Ele é vítima de uma doença degenerativa, a esclerose lateral amiotrófica, conhecida pela sigla “ELA” e também designada por doença de Lou Gehrig e doença de Charcot. A ELA é progressiva e fatal e se caracteriza pela degeneração dos neurônios motores, as células do sistema nervoso central que controlam os movimentos voluntários dos músculos e com a sensibilidade preservada.

Há alguns anos, Cardoso tinha uma vida funcional ativa. Ele era motorista do Gabinete Civil do Governo do Estado e já dirigiu para o ex-vice-governador Édson Cadaxo. Há cerca de dois anos e meio, ele começou a sentir dormência na ponta dos dedos e ficou com alguns movimentos das mãos prejudicados. Certo dia, ao atravessar a Avenida Brasil, no Centro, torceu o tornozelo. O que era para ser tratado em poucos dias, se alongou por vários meses. Outros sintomas também apareceram e Cardoso procurou atendimento médico especializado. Um exame da medula óssea diagnosticou a doença. Daí por diante, o seu quadro médico só agravou e ele foi parar na UTI da Fundação Hospital do Acre (atual Hospital das Clínicas). Ficou lá do dia 18 de março de 2010 até 24 de março deste ano, quando foi transferido para sua residência.

“Aqui eu estou em casa, ao lado da minha mulher e das minhas filhas. Aqui eu ganhei a minha segunda liberdade”, disse Paulo. A esposa de Paulo, Socorro Ferreira Cardoso, agradece o Governo do Estado pelo atendimento de seu marido. Ela concorda que o atendimento em casa amplia a sua qualidade e expectativa de vida, haja vista que está junto de seus familiares. “No hospital eles tratavam a gente bem, mas não é como estar em casa. A assistência do governo é excelente”, disse Socorro.

O governador Tião Viana disse que a implantação do Programa de Atendimento Domiciliar é o momento mais bonito da saúde pública, pois “é possível ver o serviço de saúde, com absoluta dignidade, chegar à casa de uma pessoa e oferecer, além do amor familiar e o amor dos profissionais, a esperança de que a ciência possa reverter a doença e dar uma oportunidade de vida nova para ela”. Tião Viana disse que, em casos como o de Paulo, é feito tudo que é possível pelo Estado, como saúde pública e com uma equipe de excelentes profissionais. “Aqui é uma união de amor e esperança”. (Agência Acre)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation