Começa a 2ª etapa de vacinação contra pólio

A Secretaria de Saúde de Rio Branco  realizará entre os dias 13 de agosto a 16 de setembro a 2ª etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite do ano de 2011 e a Campanha de Seguimento contra Sarampo.
Semana_de_Sade
O Brasil está livre do poliovirus desde 1990, e assim se deve manter até a concreta certificação mundial da erradicação deste agente infeccioso. O último caso da doença foi registrado no município de Souza na Paraíba em 1989.

Os Dias Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite no Brasil tiveram início no ano de 1980, visando acelerar o processo de erradicação da doença no país.

Atualmente esta estratégia tem como objetivo garantir a não reintrodução da doença no território brasileiro. Em 1994, o Brasil recebeu o Certificado Internacional de Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovirus Selvagem. A partir de então, o país assumiu o compromisso de manter altas coberturas vacinais maiores ou igual a 90%. Em 2001, esta meta foi alterada para 95% da população alvo (< 5 anos de idade).

No cenário global atual, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram que 22 países ainda registram casos de poliomielite, sendo quatro desses endêmicos: Afeganistão, Índia, Nigéria e Paquistão.

A Poliomielite ou “paralisia infantil” é uma doença infecto-contagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro clássico de déficit motor com paralisia flácida de início súbito e que acomete em geral os membros inferiores. A transmissão ocorre principalmente por contato direto pessoa a pessoa.

A meta prevista pelo Ministério da Saúde para todos os municípios é de vacinar 95% das crianças menores de 05 anos, cabendo a Rio Branco vacinar 95% do total de 31.697, o que representa 30.113 crianças.  As campanhas de vacinação de seguimento contra o sarampo compreendem as atividades de vacinação, realizadas periodicamente e de forma indiscriminado, com o objetivo de vacinar crianças suscetíveis. Estás ações de vacinação contra o sarampo têm tido um impacto importante na redução das mortes por essa doença.

O sarampo é considerado uma antroponose (circulação exclusiva inter‐humana) que atinge ambos os sexos indistintamente. É uma doença viral, aguda, grave, transmissível e de alta contagiosidade.

Apresenta sinais e sintomas que em geral são: febre alta, que inicia entre 10 e 12 dias após a exposição ao vírus, e dura cerca de 4 a 7 dias, exantema, coriza, tosse, olhos vermelhos e lacrimejantes, conjuntivite e pequenas manchas brancas no interior das bochechas (manchas de Koplic), que se desenvolvem na fase inicial da doença. O exantema, erupção céfalocaudal, geralmente, inicia no pescoço, face, tronco e membros superiores, durante três dias, com disseminação atingindo mãos e pés, permanecendo entre 5 e 6 dias. Em média, a erupção ocorre 14 dias após a exposição ao vírus.

No Brasil, o sarampo é uma doença de notificação compulsória desde 1968, e até 1991 o país enfrentou nove epidemias, sendo, em média, uma a cada dois anos. Na década de 80, ocorreu um declínio gradativo no registro de óbitos, atribuída ao aumento da cobertura vacinal e à melhoria na assistência médica. Em 1992, com a elaboração do plano nacional, o Brasil adotou a meta de eliminação do sarampo para o ano 2000 e desde 2001 não existem casos autóctones desta doença no país.

No país no período de 2001 a 2010, foram confirmados 135 casos, todos importados, comprovados laboratorialmente e com isolamento viral. Em 2011, até a semana epidemiológica (SE) 20 foram confirmados 10 casos todos importados, comprovados laboratorialmente, com isolamento viral e identificação do genótipo D4 que circula atualmente na Europa.

O Brasil iniciou as medidas de controle e prevenção contra o sarampo na década de 1960, de forma gradual com a vacina monovalente, e no ano de 1973 para todo o país, que somado a criação do Programa de Nacional de Imunização, fortaleceu as ações de imunizações no país.

A partir de 1992 a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) foi implantada gradualmente na rotina para crianças de um ano de idade no calendário básico de vacinação.

A vacinação é a melhor forma de prevenir a ocorrência do sarampo e da rubéola na população. Por isso, todos os municípios brasileiros devem manter coberturas vacinais mínimas de 95%, buscando extinguir bolsões de suscetíveis acumulados desde a última campanha realizada em 2004. A meta prevista pelo Ministério da Saúde para todos os municípios nesta campanha é de vacinar 95% das crianças menores de 07 anos, cabendo a Rio Branco vacinar 95% do total de 37.718, o que representa 35.833 crianças.

O dia nacional de mobilização das campanhas será neste sábado, 13, quando todos os centros de saúde estarão abertos e alguns postos extras totalizando uma média de 85 postos de vacinação distribuídos por toda a zona urbana de Rio Branco, funcionando das 8h às 18h. Na oportunidade será feito o recadastramento do bolsa família.

A abertura da campanha aconteceu no dia 5 de agosto na Escola Roberto Sanches Mubarac, no bairro Seis de Agosto durante a Feira de Saúde. (Ascom PMRB)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation