FIEAC marca presença no 4° Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria

As inovações movem o mundo: são coisas novas e formas novas de fazer as mesmas coisas. Em geral, são pequenas melhorias. Mas, por vezes, são mudanças radicais, que alteram em definitivo os procedimentos. Elas são o principal motor da produtividade e estão no centro das políticas de competitividade de muitos países.

Foi com esta linha de pensamento que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizou o 4° Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria, em São Paulo, na última quarta-feira (03), com a participação de diversas autoridades, como, por exemplo os ministros de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante; e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; do presidente do Bndes, Luciano Coutinho; e diversos líderes empresariais, incluindo o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre, Carlos Sasai.

Na abertura do Congresso, Robson Andrade – presidente da CNI – lembrou que a indústria é o setor da economia brasileira que mais precisa de inovação para continuar crescendo e enfrentar a crescente concorrência nos mercados interno e externo. “Não há outro caminho para a indústria senão inovar”, disse o presidente da CNI.

Destacou, no entanto, que apesar dos avanços, os empresários enfrentam vários obstáculos para inovar e ganhar competitividade. E enumerou as dificuldades: “Infraestrutura precária, impostos demasiados e cumulativos, créditos tributários não recebidos, uma burocracia exasperante, taxas de juros altíssimas e, agora, o câmbio demasiadamente valorizado”, enfatiza presidente da CNI.

Para Carlos Sasai, presidente da FIEAC, a superação desses gargalos e os avanços na inovação dependem da estreita colaboração entre governo e o setor privado. “É salutar que o governo crie medidas para reduzir os riscos da inovação, faça ajustes nos instrumentos de estímulo à pesquisa e desenvolvimento tecnológico, e que haja maior articulação das universidades com as empresas e o aumento da qualidade da educação”, acredita.

Durante o evento, o ministro Aloizio Mercadante, e Robson Braga de Andrade assinaram acordo que prevê a instalação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). Com gestão privada, a nova empresa fará parcerias e credenciará instituições de pesquisa e tecnologia. Esses centros ajudarão as empresas a desenvolver projetos inovadores.

Os recursos da Embrapii serão formados por aportes do governo, dos centros de pesquisa e das empresas. “Vamos expandir o sistema de inovação e atender principalmente as médias e pequenas empresas”, disse Mercadante.

Um dos pontos altos do evento foi a entrega do documento “Compromisso pela Inovação” feito pelo presidente da CNI, Robson Braga, aos ministros Fernando Pimentel e Aloizio Mercadante. O texto demonstra as principais reivindicações do setor para a inovação, bem como o que precisa ser feito para tornar a indústria mais inovadora. Confira o documento na íntegra em www.cni.org.br.

O 4° Congresso de Inovação foi dividido em três sessões e contou com as seguintes participações. 1° sessão: Inovar para competir – a fonte do sucesso. Debatedores: Cledorvini Belini (Presidente da FIAT), Frederico Curado ( Presidente da Embraer), Josué Christiano Gomes da Silva (Presidente da Coteminas), Luciano Coutinho (Presidente do Bndes), Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho (Presidente do Sebrae).

2° sessão: Mobilização Empresarial pela Inovação – a agenda de trabalho e principais resultados. Debatedores: Adilson Primo (Presidente da Siemens), Carlos Fadigas (Presidente da Braskem), Horácio Lafer (Presidente da Kablin), João Geraldo Ferreira (Presidente da GE), José Rubens de La Rosa ( Presidente da Marcopolo), Marcos de Oliveira (Presidente da Ford), Pedro Passos (Presidente da Natura), Ricardo Pelegrini (Presidente da IBM).

3° sessão: Inovação no mundo como estratégia de desenvolvimento. Debatedores: Andrew Wyckoff (Diretor de Inovação e Tecnologia da OCDE), Heinrich Stuckenschneider (Voce-presidente de Tecnologia Corporativa da Siemens), Anthony Townsend (Diretor de Pesquisa do Institute for the Future), Chunli Bai (Presidente da Academia de Ciências da China), Wonjong Joo (Presidente da Innovation Hub Center Council for Engineering Education), Richard Miller (Diretor da Agência de Inovação do Reino Unido). (Assessoria FIEAC)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation