Inmetro reúne representantes do Acre e de outros estados do Norte e Nordeste para defender MP 541

Os representantes dos órgãos delegados do Inmetro nas regiões Norte e Nordeste entrarão em contato com as bancadas federais de seus respectivos Estados para solicitar a defesa da emenda à Medida Provisória 541, que dá ao Instituto poderes para fiscalizar a entrada de produtos importados no país. A MP 541 define a nova política industrial, tecnológica e de comércio do Governo Federal.

Essa foi uma das decisões da I Reunião dos Dirigentes para Intercâmbio entre os Órgãos Delegados do Inmetro, das Regiões Norte e Nordeste (I Redodi), realizada em Belém na última sexta-feira (2). Participaram dirigentes e representantes dos Estados de Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia e Roraima.

“Essa é uma medida importante para evitar a entrada de produtos sem qualidade no país e a concorrência desleal com as empresas brasileiras, que seguem as normas do Inmetro”, informou Luiziel Guedes, presidente do Imetropará. Ele citou como exemplo um problema crônico, comum a todos os Estados participantes: a entrada de balanças importadas, que não seguem nenhum padrão de qualidade e cujo uso é lesivo ao consumidor.

Durante o evento foi formado um colegiado para discutir e buscar, na Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade (RBMLQ/Inmetro), soluções para problemas em comum. O próximo encontro do colegiado será no dia 4 de novembro, no Rio de Janeiro, antes da reunião do Conselho Gestor da Rede do Inmetro naquela cidade.

Compromisso – Ao final, foi redigida a Carta de Belém, assinada por todos os participantes, que defende a participação do Inmetro na nova política industrial brasileira, em que os órgãos delegados assumem o compromisso de cumprir seus papéis nessa nova política, e afirmam que para cumprir com êxito a missão será necessário apoio do Inmetro e da Coordenação da Rede, observada a diversidade de cada Estado.

“O encontro foi bom por ser o primeiro, mas vamos ajudar uns aos outros, para que possamos pedir coisas melhores ao Inmetro. Quanto a problemas menores, nós podemos nos ajudar”, disse Barac da Silva Bento, presidente do Instituto de Pesos e Medidas de Roraima.  Para Krol Remígio, presidente do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial da Paraíba, a reunião fugiu da formalidade e permitiu a cada Estado apresentar seus problemas. “A reunião foi bastante proveitosa. Além de ter uma interação maior, proporcionou conhecer os problemas dos outros Estados. E a amizade entre os Institutos vai agilizar as soluções. O grande ponto desse encontro foi justamente mostrar essa união, que podemos compartilhar e fazer crescer cada vez mais nos Estados”, acentuou. (Inmetropará)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation