‘Operação Candelabro’ prende 14 por tráfico em Rio Branco

A Polícia Civil deflagrou ontem, 15, a ‘Operação Candelabro’. Foram executados 11 mandados de prisão da Justiça e 12 de busca e apreensão. Dez pessoas foram presas acusadas de tráfico de droga, associação para o tráfico, formação de quadrilha, arrombamento de veículos e corrupção de menores.
Operacao
A investigação que durou 2,5 meses, foi coordenada pelo delegado Alcino Ferreira Júnior, da 4ª Regional (Tucumã). Na ocasião foram presos: Selmir Silva de Almeida, Rosane da Silva Bejamo, a Tita, Daniela da Silva Bejamo, a Dani, Antonio Peterson de Souza Soares, o Pet, André Luiz Araújo de Oliveira, Sandro da Silva Almeida, Alesson Cavalcante Rodrigues, Rejane Mendes Soares e duas adolescentes de 16 e 15 anos.

De acordo com Alcino Júnior, a investigação teve início com a apuração de uma série de arrombamentos em veículos, na circunscrição da 4ª Regional. No início da apuração quatro pessoas foram presas, duas acusadas de praticarem arrombamentos e as outras duas por receptação dos produtos sub-traídos nas ações criminosas.

 “No curso das averiguações, foram surgindo elementos que apontavam para o envolvimento da quadrilha no tráfico de drogas e aliciamento de menores, além de receptação”, observou o delegado Alcino Júnior.

A autoridade explicou que as adolescentes, eram usadas como “mulas” para transportar o entorpecente para o interior do presídio Francisco Conde, onde no pavilhão K se encontra recluso Selmir Almeida, marido de Tita. A outra menor chegou a ser apreendida quando transportava da região de fronteira com a Bolívia, cerca de 1,5 kg de pasta-base de cocaína.

 Ontem a polícia deu cumprimento ao mandado de internação da adolescente de 16 anos. A quadrilha baseada no Conjunto Esperança, bairro Floresta, cooptava garotas menores de idade para adentrarem na penitenciária, nos dias de visitas, com droga e celulares nas partes íntimas.

Os mandados de prisão foram cumpridos nas residências dos investigados e três dos quais nas celas do pavilhão K da penitenciária estadual. No local foram encontrados seis celulares, carregadores, facas de fabricação caseira, estoques, um rádio comunicador de fabricação artesanal, artefatos para uso de entorpecentes, “terezas” (corda feita com retalhos de lençóis).

Cerca de 30 policiais das delegacias da 4ª Regional, Antiassalto, Combate ao Crime Organizado, do Departamento de Polícia da Capital e do Interior – DPCI e Departamento de Inteligência – DI participaram da execução dos mandados de buscas e de prisão. Os agentes penitenciários e diretores do Instituto de Administração Penitenciá-ria – Iapen ajudaram nas buscas no interior da unidade prisional. (Assessoria da Polícia Civil)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation