Não é concessão

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, que se comemora hoje, mais do que comemorações cabem algumas reflexões sobre esse princípio fundamental para o exercício da profissão e como uma das conquistas mais caras da sociedade moderna.

Liberdade de imprensa ou de expressão não é um conceito abstrato, vago ou apenas uma recomendação edificante. Antes de tudo, é um dos princípios fundamentais garantidos pelas Constituições dos países democráticos e como tal deve ser exercido, respeitado e garantido.

Tanto por aqueles que têm a responsabilidade de governar como pelos profissionais que têm a árdua missão de bem informar, opinar, com liberdade e as devidas garantias.

Liberdade de imprensa não é, portanto, concessão deste ou daquele governo, mas um direito garantido tanto aos profissionais que devem exercê-la, sem restrições, como à sociedade que se vale dela para expressar suas ideias, seus direitos, suas reivindicações.

Por se tratar de um princípio tão fundamental e necessário ao regime democrático, deve ser exercida com responsabilidade, visando não privilégios ou abusos, mas acima de tudo os legítimos interesses da sociedade representada por seus mais diversos segmentos.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation