Pular para o conteúdo

Governo constrói frigorífico de peixes e núcleo de alevinagem em Cruzeiro do Sul

 A inauguração do Centro de Alevinagem do Complexo Industrial do Peixe em Rio Branco mostrou a grandiosidade dos investimentos do governo do Estado para desenvolver a piscicultura e tornar o Acre um dos maiores produtores de peixe no país. Mas não é apenas na capital que o governo está montando a estrutura para o processo industrial. Em Cruzeiro do Sul estão em andamento duas obras que vão atender às centenas de produtores de peixe da região: O Núcleo de Reprodução e Alevinagem de Peixes Migradores de Cruzeiro do Sul e o frigorífico de peixes.

 O frigorífico em construção na Estrada Variante está recebendo recursos de mais de R$ 4 milhões e segundo o secretário de Desenvolvimento, Edvaldo Magalhães, ele se destina a alavancar a comercialização da produção local de peixe. Depois de pronto e em plena capacidade, o empreendimento vai funcionar em dois turnos, oferecendo quase duzentas vagas de emprego, principalmente para mulheres na área da filetagem.

 O coordenador do setor de piscicultura da Secretaria da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis e Desenvolvimento Florestal (Sedens), Maurício Queiroz, explica que o frigorífico de Cruzeiro do Sul é um dos mais modernos do país. Além de fazer o processamento primário, congelar e colocar no mercado, o frigorífico faz também o processamento final com a filetagem, o congelamento de filé, armazenagem e expedição com todos os critérios técnicos determinados pela Anvisa e Ministério da Agricultura.

 Núcleo de Alevinagem – Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima têm centenas de piscicultores e o número só faz crescer com o incentivo do governo na construção de tanques. Para atender a imensa demanda por alevinos o governo está construindo na Vila Assis Brasil, interior de Cruzeiro do Sul, um núcleo de alevinagem.
Assim que estiver pronto, segundo Queiroz, o núcleo terá capacidade  de atender toda a região de 10 a 15 anos. Com 39 tanques o núcleo em sua fase inicial terá capacidade para produzir cinco milhões de alevinos por ano.

 O núcleo está recebendo investimentos R$ 1.402.982,78 para construção de um laboratório de alevinos e um alojamento e R$ 2.247.730,97 para terraplenagem e construção dos tanques. O laboratório e alojamento já estão prontos e entregues. A terraplenagem, segundo cálculo de Queiroz, já está 75% concluída.
O núcleo vai produzir alevinos de peixes tradicionalmente criados no Juruá como tambaqui, piau, curimatã, matrinchã, mas também vai produzir alevinos de pirarucu e peixes de couro entre eles o surubim, peixes de maior valor no mercado.

 O engenheiro responsável pela obra, Wellington Bagagna, informa que dos 39 tanques, 28 já estão prontos. Estão sendo construídas quatro comportas para controlar o nível de água evitando-se assim desperdício do líquido. Itens importantes ainda por fazer são os lagos de decantação e o canal de acesso que trará água do Igarapé Preto. Segundo o engenheiro, a parte que já está pronta, inclusive, já pode ser utilizada.