Pular para o conteúdo

Bancos propõem reajuste sem aumento real de 6,1%

bancosaumento
Comando dos Bancários rejeitou proposta que Fenaban classifica como final. Dia 12 tem assembleia para convocar greve a partir de 19 de setembro

 
 Os bancos deram mais uma mostra de desrespeito e descaso com seus funcionários. A Fenaban veio para a rodada de negociação da quinta-feira 5 propor índice de 6,1%, sem aumento real para os salários. O mesmo reajuste foi proposto para vales, auxílios, piso e PLR, que permaneceria no modelo atual.

 A “proposta global” da Fenaban não trouxe qualquer avanço sobre o fim das metas abusivas e das condições de trabalho que adoecem, para o fim das demissões ou mais contratações para reduzir a sobrecarga de trabalho. Os bancos também não propuseram nada para a assistência às vítimas de assaltos e sequestros.

 O presidente do Sindicato dos Bancários do Acre, Edmar Batistela, classificou a proposta de absurda. De acordo com ele, os bancos viram seus lucros bater a casa dos R$ 30 bi, somente nos primeiros seis meses deste ano, e vão para a mesa de negociação propondo apenas 6,1% de reajuste salarial e sem perspectiva de melhora nas condições de trabalho, é uma verdadeira falta de respeito.

 Com essa atitude da Fenaban, Edmar Batistela explica que os bancários não irão fechar a campanha salarial sem aumento real e melhorias para a saúde, segurança e condições de trabalho.
Por fim, Batistela convoca os bancários para uma assembleia nesta quinta-feira, dia 12, e se até lá não houver uma proposta decente os bancos estarão levando a categoria à greve geral por tempo indeterminado a partir do dia 19.”, explica o sindicalista.

 O lucro dos seis maiores bancos – BB, Caixa, Itaú, Bradesco, Santander e HSBC – cresceu 18,2% comparando o resultado do primeiro semestre de 2013 com mesmo período de 2012. Segundo Edmar Batistela, os números favoráveis as instituições financeira neste primeiro semestre comprova que nossa reivindicações estão dentro da realidade do setor.

Pouco

 Os bancos aceitaram reduzir o prazo de apuração do instrumento de combate ao assédio moral de até 60 para até 45 dias, além de criar um grupo de trabalho para análise das causas dos afastamentos por doença ocupacional no setor.

 Outra proposta foi a realização de um seminário para discutir as mudanças tecnológicas nos bancos – o objetivo dos trabalhadores é debater o impacto da tecnologia sobre o trabalho do bancário.
 
Assembléia
 
 O Sindicato está convocando assembleia nesta quinta-feira (12), às17h, na Praça Povos da Floresta, Centro de Rio Branco, localizado próximo ao Palácio Rio Branco. “Queremos todos os companheiros presentes a assembleia para rejeitar a proposta dos bancos e, assim, definir e organizar a greve a partir do dia 19”, explica Batistela.

 A Fenaban destacou em mesa que nossa Convenção Coletiva de Trabalho é muito boa, que os bancários têm patamar elevado. O Comando Nacional dos Bancários rebateu a provocação da Fenaban e disparou:
“Se é boa, é porque os bancários, na luta, nunca permitiram a retirada de direitos e sempre buscam novas conquistas. Mas tem muito que melhorar diante do lucro dos bancos. E este ano não será diferente.”, comentou Carlos Cordeiro, presidente da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro