Pular para o conteúdo

“O Acre não pode trilhar este caminho de processar magistrados”, afirma Moisés Diniz

moizesprocessos
 O vice-presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Moisés Diniz (PC do B), se posicionou contrário à representação impetrada na Corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AC) em desfavor do juiz Afonso Branã Muniz. O magistrado foi o responsável pela análise do processo que pesava contra o prefeito de Senador Guiomard, James Gomes (PSDB). A representação foi impetrada pela defesa de Gomes.

 Moisés Diniz classificou a medida como ‘um caminho perigoso’. De acordo com ele, o Judiciário faz a sua parte e qualquer cerceamento ao trabalho da Justiça, em especial com relação a decisões proferidas a políticos, coloca-se em risco a democracia.

“Este é um caminho perigoso. O Acre não pode trilhar este caminho de processar magistrados, especialmente partido de políticos. O prefeito James é uma pessoa do bem. Faço um apelo público aqui para que ele oriente seus advogados a rever esta ação”, argumentou o deputado.

 Moisés Diniz pediu que James Gomes ‘aja com magnanimidade’, ou seja, como generosidade e tolerância. E acrescentou que se cada magistrado for processado ao decidir em desfavor de políticos do Acre, levará o Estado à indefinição. “Imagine se cada juiz que decidir contra um político no Acre for processado, aonde vamos parar?”, questionou o deputado comunista.
Finalizando a postagem em sua página no Facebook (www.facebook.com/moisesdinizlima), ele reafirmou o compromisso de ter a mesma postura com seus camaradas, como são conhecidos os militantes do PC do B. Disse, ainda, que é uma questão que parte da consciência, e não de paixões partidárias.