Pular para o conteúdo

Seguro Defeso: lentidão no cadastro dos pescadores no MTE gera reclamação

Revoltados com a demora do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em realizar o cadastro que garante o recebimento do Seguro Defeso, pescadores interditaram a Rua Marechal Deodoro, no Centro de Rio Branco. O bloqueio foi realizado logo nas primeiras horas da manhã. A assistência financeira é paga aos pescadores profissionais entre de dezembro a março, período de reprodução natural de algumas espécies de peixes em que é proibida a pesca.

Apesar do grande congestionamento, a manifestação durou pouco tempo. De acordo com a Associação dos Pescadores do Acre, só na Capital mais de 930 pescadores tem este direito.

Os pescadores denunciam que a estrutura do MTE é pequena e só tem a capacidade de atender 40 pessoas por dia. Então, existe a possibilidade de que nem todos consigam fazer o cadastro a tempo de receber o benefício antes do Natal.

Para muitos deles, o Seguro, que paga em torno de 1 salário mínimo (atualmente R$ 678,00), é a única fonte de renda pelos próximos 3 meses. Para evitar fraudes, a nova carteira de identificação de pescador profissional possui chip. Ao longo de 2013, mais de 1 milhão de carteiras foram distribuídas no país.

Segundo a responsável do setor responsável pelo Seguro Desemprego do MTE em Rio Branco, Sebastiana Oliveira, os pescadores foram informados do limite no atendimento.