Pular para o conteúdo

“Boa notícia para o PT e para Frente Popular, o Fernando estar com a gente”, diz Jorge Viana

 O vice-presidente do Senado Federal, Jorge Viana (PT/AC), destacou o retorno de Fernando Melo, ex-peemedebista, à Frente Popular do Acre (FPA). Melo se filiou ao Partido da Ordem Social (PROS). O senador acreano salientou que não lhe cabe julgar o tempo em que Fernando Melo esteve na oposição e ressaltou o apoio de Tião Viana para proporcionar este recomeço na FPA.

“Não faço nenhum juízo sobre o seu tempo afastado da gente, mas lamento esse tempo e fico contente pela atitude do Tião de criar as condições para que o Fernando possa estar de volta pra nos ajudar a levar em frente essa batalha pelo Acre”, argumenta Jorge Viana.

 O senador petista disse, também, que Fernando Melo sempre foi ‘um gestor competente, bom parlamentar e um extraordinário militante’. De acordo com Jorge Viana, essas qualidades são suficientes para afirmar que a volta do ex-deputado federal é bem-vinda dentro da FPA e para o PT, partido que Melo militou durante anos.

 Ainda em sua postagem, no Facebook, Jorge Viana lembra que Fernando Melo esteve ao seu lado quando foi prefeito de Rio Branco. Lembrou, ainda, que Melo foi diretor do Detran/AC e Secretário de Segurança Pública quando ele era governador. O parlamentar frisou que a experiência acumulada e o bom desempenho no Executivo concedeu a Fernando Melo ocupar uma vaga na Aleac e, logo em seguida, na Câmara Federal. “O Fernando nos ajuda há muito tempo. Começamos juntos na prefeitura, quando eu era prefeito. Tempos difíceis e ele deu conta do recado”.

 A saída de Fernando Melo da oposição e seu aporto na situação movimentou a política local. Melo se reservou a comentar sobre o que de fato aconteceu. De acordo com fontes ligadas a ele, o que teria provocado sua saída teria sido o descrédito do seu nome para disputar um cargo majoritário pelo PMDB. Ainda sobre a oposição, o novo filiado do PROS disse que, enquanto a oposição não acordar para um entendimento, continuará a se decepcionar nas eleições.