Gazetinhas 10/04/2014

* Eita, que abril promete!

* Muita repercussão sobre a decisão da Secretaria Estadual de Direitos Humanos de fechar o abrigo para haitianos em Brasiléia.

* É isso mesmo.

* Secretário Nílson Mourão tá corajoso!

* A partir de agora, os imigrantes que entrarem no Brasil pelo município serão orientados, na alfândega de Assis Brasil, para seguirem diretamente para Rio Branco.

* Na Capital, serão encaminhados a um novo abrigo, no Parque de Exposições.

* A medida ainda pode gerar polêmica entre Ongs e entidades humanitárias.

* Mas, ao que se viu e ouviu, foi apoiada pelos parlamentares, pela população e, principalmente, pelos moradores de Brasiléia.

* Compreensível.

* Afinal, podem ter ocorridos falhas na política de acolhimento. Isso sempre há.

* Mas, não se pode dizer que não houve investimentos, esforços e apoio aos 20 mil imigrantes que passaram por lá.

* O tempo também não foi pouco: três anos de guarida.

* Juntos, os governos federal e estadual gastaram em torno de R$ 15 milhões.

* Sem demagogia, o Acre fez mesmo a sua parte, e Brasiléia, especialmente, suportou bem mais do que poderia.

* O risco agora é transferir o problema para um local maior, no caso a Capital do Estado.

* O que se espera, portanto, é que o Governo Federal, de fato, tome as rédeas da situação, agilize os trâmites e regularize a rota, para que os imigrantes consigam chegar diretamente aos locais de destino. No caso, os grandes centros do país.

* Sei não ó…

* A conferir as cenas dos próximos capítulos.

* Leitor Francisco Zegarra manda e-mail, elogiando o decreto de calamidade pública, assinado, esta semana, pelo governador Tião Viana.

* Mas cobra “que os efeitos sejam em beneficio da população e não dos poderosos comerciantes, empreiteiros ligados ao poder e políticos inescrupulosos”.

* “É preciso caprichar na fiscalização”, completa ele.

* Certíssimo. Tá dado o recado!

* Outro leitor manda a denúncia de que os empregados da VG Serviços, que cuida da limpeza da Ufac, sofrem com o atraso dos salários, em até 20 dias, todos os meses.

* “Pior de tudo é que o salário mínimo aumentou em janeiro e até hoje ninguém viu o aumento”, reclama.

* Coisa feia, hein! Tem que ver isso aí.

* Com a palavra, a empresa VG Serviços.

* E, nos postos de combustível, não foi só a gasolina que aumentou…

* No Posto Village, aqui do ladinho, na Antônio da Rocha Viana, a lavagem de um carro subiu de R$ 60 para R$ 150!!!

* Que isso, meu amigo?! É um carro, não é um avião, não.

* Um assalto!

* Maíra Martinello.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation