Ministro da Saúde está preocupado com situação da dengue em Cruzeiro do Sul

Os casos de dengue no país cresceram 57,2 em janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período de 2014, segundo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. De acordo com o titular da pasta, Arthur Chioro, a crise hídrica registrada em alguns estados brasileiros é um dos principais motivos da multiplicação dos casos de dengue, na medida em que a população das regiões atingidas pela estiagem acaba estocando água de forma inadequada.

“É fundamental entender que as pessoas, as famílias, a sociedade têm que ter cuidado com o acondicionamento de água em casa. Nesses momento em que está faltando água, tem ameaça de faltar água, muitas pessoas estão preocupadas em acumular água em casa sem proteção, sem que os vasilhames estejam corretamente fechados. Isso facilita a reprodução do mosquito transmissor da dengue”, alertou o ministro da Saúde.

Dados do Governo Federal mostram que, no mês passado, foram registrados 40.196 casos notificados de dengue no Brasil. No mesmo período do ano passado, haviam sido registrados 26.017 casos.

Arthur Chiro adverte que o armazenamento de água nas residências sem a devida proteção eleva o risco de depósito da larva do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue e do vírus chikungunya, que provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém, mais dolorosos.

Na avaliação por unidades da federação, o estado que proporcionalmente registrou a maior elevação dos casos de dengue em janeiro foi o Acre. Lá, 2.673 pessoas foram diagnosticadas com a doença, o que equivale a 338,3 casos a cada 100 mil habitantes. Somente no município acreano de Cruzeiro do Sul as autoridades de saúde confirmaram 2.305 casos de dengue no primeiro mês de 2015, contra sete registros em janeiro do ano passado. (Do G1/Brasília)

Estados com maior incidência da dengue em janeiro, por 100 mil habitantes:
Acre: 2.673 casos (338,3 por mil habitantes)
Goiás: 6.386 casos (97,9 por mil habitantes)
Mato Grosso do Sul: 1.124 casos (42,9 por mil habitantes)
São Paulo: 17.612 casos (40 por mil habitantes)
Tocantins: 504 casos (33,7 por mil habitantes)

Assuntos desta notícia