Pesquisador Davi Friale afirma que o Rio Madeira não vai alagar a BR-364

O Tempo Aqui mantém sua posição, desde o ano passado, de que o Rio Madeira, em 2015, não vai cobrir a BR-364. Para que haja enchente de grandes proporções desse rio, em Rondônia, é necessário que ocorram chuvas muito além da média climatológica em toda a área compreendida pela bacia hidrográfica dos rios que fluem para o Madeira. Essa área está quase toda localizada na Bolívia, mas, também, no sudeste do Peru, no oeste de Rondônia, no oeste de Mato Grosso e uma pequena parcela no leste do Acre. Nessa região, estão os rios Mamoré (Bolívia e Rondônia), Beni (Bolívia), Madre de Dios (Peru e Bolívia), Guaporé (Rondônia, Mato Grosso e Bolívia) e Abunã (Acre, Rondônia e Bolívia). Mais de 70% dessa bacia está localizada na Bolívia.

Como O Tempo Aqui já havia previsto e anunciado, as chuvas, em 2015, não seriam tão intensas como em 2014. Deverão, inclusive, ficar abaixo da média histórica, no mês de fevereiro. Em janeiro de 2014, o volume de chuvas sobre a bacia do Madeira foi acima de 600mm, na área central da Bolívia, e entre 300 e  600mm, nas demais áreas de sua drenagem. Já, em janeiro de 2015, o maior volume foi de, apenas, 300mm, em pequena área, no centro da Bolívia, e menos de 200mm, nas demais áreas – veja os mapas. Como se percebe, há uma diferença muito grande.

Desde o último dia primeiro de fevereiro, até hoje, dia 6, as chuvas têm ocorrido, apenas, em poucos pontos isolados e de fraca intensidade, na bacia do Madeira, com valores abaixo de 20mm.

Em Porto Velho, o nível do rio ainda subirá um pouco até, aproximadamente, o dia 9, quando, então, começará a baixar lentamente por alguns dias consecutivos, tendo em vista que os rios situados acima da capital rondoniense não foram alimentados pelas chuvas, nos últimos dias.

A tendência para o mês de fevereiro é de que as chuvas fiquem abaixo da média, na Bolívia, e, portanto, não ocorrerá o problema de as águas cobrirem a BR-364, como tantos alarmistas têm gritado. Observe os mapas de volume de chuva do mês de janeiro de 2014 e de 2015, elaborado penlo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), em parceria com outros institutos de renome nacional, onde pode-se visualizar a grande diferença no volume de chuvas entre esses dois anos. Quanto mais escura for a cor verde, maior volume de chuvas que caiu sobre a região. (Do Site O Tempo Aqui)

Assuntos desta notícia