Classe madeireira pede revogação de portaria que engessa atividade no Estado

Representantes da cadeia produtiva da madeira na Aleac
Representantes da cadeia produtiva da madeira na Aleac

Os deputados estaduais reuniram-se na manhã desta quinta-feira, 19, na Aleac, com representantes de diversas categorias que dependem da cadeia produtiva da madeira. A classe pediu apoio aos parlamentares para revogar a Portaria 443/14, do Ministério do Meio Ambiente, que versa sobre a proibição de exploração do manejo florestal em espécies que apresentem risco de extinção, inviabilizando a atividade no Estado.

A presidente da Associação das Indústrias de Madeira de Manejo do Estado do Acre (Asimmanejo), Adelaide de Fátima, denuncia que, embora a portaria não tenha sido ainda regulamentada pelo Governo Federal, a medida estaria afetando produtores rurais que trabalham com o manejo de madeira, moveleiros, engenheiros florestais, cooperativas de florestais, empresários do setor florestal e até mesmo os adeptos da doutrina do Santo Daime nas diversas comunidades.

Ela destaca que a proibição da extração de cerejeira, cedro e angelim, espécies mais utilizadas no Acre, poderá causar desemprego em massa no Acre. “Se a Portaria 443/14 for regulamentada, acarretará em prejuízos em toda cadeia produtiva da madeira, além de uma série de demissões em todo o Estado. A situação é delicada, por isso estamos aqui pedindo o apoio dos deputados estaduais”.

Outro questionamento levantado pela classe diz respeito aos estudos realizados que serviram de base para a deliberação da portaria. Segundos eles, não existe clareza quanto ao assunto.

“Não está claro como e onde foram realizados os estudos que serviram de base para a deliberação. Essa decisão vale para todo o Brasil, mas temos que levar em consideração que a Amazônia tem uma realidade diferente do resto do país. Quais os critérios que foram utilizados para conceber essa portaria?”, ressaltou Fátima.

Após ouvir o relato dos representantes do setor madeireiro, o presidente da Aleac, deputado Ney Amorim (PT) decidiu criar uma comissão para elaborar um estudo sobre a exploração de madeira no Estado e tentar uma audiência no Ministério do Meio Am-biente, onde serão debatidos os impactos da Portaria, a economia do Acre. Os deputados vão pedir ainda o apoio da bancada federal. (Foto: Agência Aleac)

Assuntos desta notícia